https://www.poetris.com/
Poemas -> Surrealistas : 

A cidade, o poeta e a imaginação

 
Da pena do poeta brota toda a dor do mundo
Um alvoroço e o abismo aplaude a triste ópera
A noite assesta o revólver a qualquer cidadão
As estrelas ocultam o pasmo coro do universo
Nos subúrbios da minha caneta há resistência
Não me apresentarei a nenhuma face da morte
As vozes dos fantasmas, no cobre vivo diluídas
As respostas da noite são silêncios impalpáveis
O homem dorme, o gato leso caminha os muros
Esta, cujo nome esqueci, é minha linda cidade
Que percorro com os olhos em caídas lágrimas
Anjos de fogo rugem invulneráveis das nuvens
Relâmpagos, trovões cerram os dias do outono
E com um bom trago da bebida de emergência
Eu faço iluminar a noite com um luar prateado




Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.



 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
172
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Legan
Publicado: 01/06/2021 15:22  Atualizado: 01/06/2021 15:22
Colaborador
Usuário desde: 26/01/2010
Localidade: Algures em Trás-os-Montes
Mensagens: 540
 Re: A cidade, o poeta e a imaginação
O poeta pode na noite fria de outono escrever a mais bela e quente primavera. E, tornar a mais profunda solidão no mais belo amor platónico...
Esse é o poder do poeta...

Abraço