https://www.poetris.com/
Poemas : 

SOU(L)

 
Sim, devo ser tudo aquilo que dizem que eu sou
Igualmente, não é meu o que dizem que não sou
A um só tempo sou tudo ou nada do que ideiam
Porém eu não sou covarde e nada pode me calar
Os que perceberem como eu meus versos tortos
Saberão que meu poema abriga uma ternura nua
Mas, não os falsos profetas, que nada percebem
A estes, sou apenas um malabarista das palavras
Farão de tudo para negar as minhas edificações
Hinos nem raros, nem vulgares que os envenena
Obriga-os a pensar no verso, também no reverso
Mas não venham me falar que esse uivo é poesia
Ou imaginar que haja alguma morte mais branda
Um poeta original é o que sou, atirado ao poema
Como quem se atira ao abismo, só para renascer
Filho das palavras, nascido nos sismos do trajeto
De origem incerta e sem pertencer a lugar algum
Expulso do paraíso, sou todos, mas sou nenhum!




Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
162
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 15/01/2022 19:44  Atualizado: 15/01/2022 19:44
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 1025
 Re: SOU(L)
Gostei de lê-lo nesse rasgar de peito, aberto, revelaste um renascer poético incomensuravelmente belo. É tudo o que a poesia precisa, identidade natural nas palavras para que seja sentida e compreendida. Cumprimento-o por este momento! Um grande abraço caRIOca!