Contos -> Minimalistas : 

Um tempo de conversas

 
Ao descer a rua, na ponta da curva se via o empório, sempre de branco e azul.
Vendia de tudo, até histórias de caçador e pescador que pagava-se apenas com o tempo de ali entrar. E todos que ali entravam eram ricos de tempo. Quando alguém esvaziava os bolsos saia com aquele sorriso manso de quem logo iria voltar, dando a vez para outro esbanjador de horas tomar seu lugar e começar o relato de novo enredo. Ninguém nunca soube como foi que o empório ficou milionário de dias, meses e anos, mas dizem, à bocas pequenas, que tempo nunca houve para revelar o segredo.

 
Autor
GinaCortes
 
Texto
Data
Leituras
505
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
7 pontos
1
3
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/01/2022 10:55  Atualizado: 22/01/2022 10:57
 Re: Um tempo de conversas
Segredos não revelados. um brinde.
Um copo de vinho para se aquecer numa noite fria.