Poemas : 

vybachte

 
o dia prosseguiu e deixou-a atrás, sozinha.
clarice lispector


rendemo-nos
pelo corredor seco de uma bala

o estertor franco de uma fechadura
vai-se
ocludindo a negro
longe como uma explosão
que se engole a si própria

domínio e dignidade
não existem debaixo de água
no batismo da nossa espécie
o grito e o choro são a
primeira mensagem
nas frentes do mundo

é a lei que diz que
nunca teremos as feridas que merecemos

todavia
pouco valerá tanto
quanto o crime de uma flor
a existir

 
Autor
Benjamin Pó
 
Texto
Data
Leituras
983
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
32 pontos
12
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZeSilveiraDoBrasil
Publicado: 26/02/2022 20:24  Atualizado: 26/02/2022 20:24
Administrador
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 1951
 Re: vybachte
"o grito e o choro são a nossa
primeira mensagem
nas frentes do mundo

é a lei que diz que
nunca teremos as feridas que merecemos"


Fui a tradução do título e o seu texto explodiu no meu peito; crime humanitário em andamento muitas flores morrerão...
Um abraço caRIOca!

Enviado por Tópico
Sergius Dizioli
Publicado: 27/02/2022 15:36  Atualizado: 27/02/2022 15:36
Administrador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade: काठमाडौं (Nepal)
Mensagens: 2221
 Re: vybachte
A ganância se disfarça de cuidados, o ódio cega aos que nunca quiseram enxergar, a verdade pertence aos mais fortes nunca à verdade viva. As explosões roubam a inocência e o mundo todo esquece a lei maior: ama ao próximo... Belíssimo Benjamin. Saudações.


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/02/2022 15:53  Atualizado: 27/02/2022 15:53
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
bez strakhu...

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/02/2022 23:54  Atualizado: 21/04/2023 11:23
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
O benfica deu três e o porto empatou.
O Oleg, que na verdade se chama Oleksandr, mas que não se importa nada com o engano, trouxe-me, invariavelmente, a um comentário.
O Sasha (soube que Sasha é diminutivo de Oleksandr) não é muito forte no português. Não sei se seria capaz de ler o teu poema e ter a noção das várias camadas e símbolos em que insistes.
Anda na escola, numa iniciativa da junta de freguesia, que apoia emigrantes na inserção.

Os colegas de turma são indianos (talvez do Paquistão), alguns chineses, e uns poucos de romenos de etnia cigana. Sasha é um dos que tem melhores notas.
No trabalho, luta com a escrita do alfabeto. O cirílico deve ser-lhe muito mais fácil. A caligrafia é de ir às lágrima. Escreve há cerca de 4 anos. Ainda assim, há uns poucos que ainda se percebem menos, nascidos e criados na cidade da Amadora.
Já devia escrever como as mocinhas de 9. Ao menos.

No alto do seu metro e oitenta e tal gosta de ir ao ginásio, fazer pesos.
Aos 37 está a fica calvo. Sorri enquanto falha as ligações género e número.
Troca o masculino com o feminino, em alguns nomes. Usa o infinitivo dos verbos, quando devia de usar o indicativo, com humildade.

Quando os utentes têm mais de 150 kgs, estamos sempre à espera que esteja por perto. Ele tem “jeito” para esses casos especiais.
Interessei-me pelo Oleg quando soube que não faria certos trabalhos remunerados, por falta de competências de comunicação.
Pareceu-me injusto que o procurassem para casos pesados, mas abdiquem dele por detalhes que sei que ultrapassaria com mais ou menos dificuldade.

Faço de professor no meio do corredor.

O Sacha prontificou-se a ir a uma festa de Carnaval lá do trabalho, assim que soube do convite, há 3 semanas atrás.
Não sei se tinha máscara.

Anteontem pediu-me desculpa por já não poder ir, com uma dor no olhar que vi hoje no Yaramchuk assim que entrou em campo no jogo contra o Guimarães...

Soube que andava atarefado ao telefone, numa língua em que eu só sei dizer boa tarde, e sem medo.



Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 01/03/2022 05:56  Atualizado: 01/03/2022 05:56
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
Dobroho ranku

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 12/03/2022 08:37  Atualizado: 12/03/2022 08:37
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
Os senhores da Ucrânia são ossos duros de roer.
Eles não podiam-se render, de vez, dar tudo aos oligarcas russos e acabar com a guerra?

O preço do petróleo e da minha gasolininha lá voltava ao normalzinho...

Bez Strakhu

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 15/03/2022 06:05  Atualizado: 15/03/2022 06:05
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
Frases que eu odeio:

"As desculpas
evitam-se..."

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 30/03/2022 07:41  Atualizado: 01/04/2022 02:46
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
poema do deixar


deixem cair uma bomba ali junto aos meus pais
e outra, por um drone mandado, junto aos tios;
todas as comandadas têm os mesmos assobios
deixem cair uma, e outra, e outra ainda, mais

de morte adiada somos todos iguais e desiguais,
ainda que nos enchamos de ouros, terras e brios
vãos, dos mais polutos, infames, aos mais pios;
soe nascer, crescer, viver, morrer, estátuas carnais

onde houver chão, há cama, mas também guerra.
depende do homem de má ou de boa vontade,
independentemente do que se possa dizer, pensar;

os machados são para a terra,
o amar o próximo é a verdade
para a paz manter, ou alcançar...

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 01/02/2023 20:37  Atualizado: 04/02/2023 00:20
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1982
Online!
 Re: vybachte
Tristre cancro

Eu evito pensar, juro que evito,
nas células do corpo com demónio,
que de Ramsés ao santo António,
habitam tudo, como eu habito.

De canto em canto tudo vomito,
estrago, desfaço, sou babilónio,…
e se uso apenas mais um neurónio,
tudo implode, queima, fica frito…

Arma em punho
sangue na foice,
força faz a guerra!

Vão testemunho
viver de coice…
Tumor da terra.

De cheiramázedo