https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pé de funâmbulo

 
Há que dar a volta ao cabo
mas sem tocar no perímetro,
invocando as acções sem adjectivos;

bem mal está a planta do pé
e o tendão de Aquiles inteiro à deriva.

Espera a queda em linha recta
rés à noite,
cai-se
sempre de volta ao cabo.

Vendados e vendidos
com a mesma venda transparente.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
229
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
2
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 18/07/2022 16:43  Atualizado: 18/07/2022 17:53
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1466
 Re: Pé de funâmbulo P/ Beça
Andamos, funâmbulos.
A pé ficamos, quase sempre.
Puxam-se os laços.
Aquiles é visionário.
Para quem anda de bengala.
Na esquina.
Resvés com a rua.
Funâmbula na vida.

Boa amostra sobre a arte.
Li, a da vida.

Sempre perspicaz e sábio.
Quando se lida com a morte, aprende-se sobre a vida.

Um abraço

Enviado por Tópico
Valdevinoxis
Publicado: 02/08/2022 10:00  Atualizado: 02/08/2022 10:00
Colaborador
Usuário desde: 27/10/2006
Localidade: Aguiar, Viana do Alentejo
Mensagens: 2058
 Re: Pé de funâmbulo
Muito honestamente revejo-me na tua escrita. Mostra liberdade na leitura e (pode não parecer) faz todo o sentido quando se relê.