https://www.poetris.com/
Poemas : 

O convidado

 
É cada vez mais difícil manter o equilíbrio sobre a razão
O olhar perdido no mar azul, a prantear barcos partidos
Não se desata de ver que toda palavra tem sua verdade
Já não me disponho a fazer do poema a última fronteira
Pois não pode mover o mundo, ainda gritado aos ventos
Nem farei meus ouvidos de ninho para o pouso de ardis
A esta altura, meu coração já deixou de falar pela boca
Ignoro se os sonhos se realizam, seu valor é fazer sonhar
Conservo, ainda, uns pares de segredos e esqueci o mais
Olho a lua e invento que meus dedos a tocam, divirto-me
Descobri que a felicidade não está nas coisas que temos
Mas na luz universal do amor e não alguma quinquilharia
Toda vida é única, tanto para a lebre como para a bruxa
Tudo reside no dom de unir a matéria ao tempo sonhado
O beijo não é o lábio. Mas fusão de cor, forma e intento
É cada vez mais difícil manter a tênue linha da sanidade
Se soubermos que não há um átomo belo nem outro feio
E sendo feitos de átomos porque uns se veem superiores

O convidado buscava manter o equilíbrio sobre a razão
Mas na velhice tropeçava nas cômodas como um poeta


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
101
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 25/01/2023 08:50  Atualizado: 25/01/2023 22:38
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 O não convidado




Tod'a vida é ímpar e singular
E raios partam quem a abra,
De par-em-par, janelas, portas,
Sem ser hóspede "da-tal-cuja",

E sem ser convidado a entrar
Na vida real de cada qual,
Na paisagem da vigia como
Configurando uma verdade

Outra não diferente da minha
De onde me parte a realidade
Assim como falta dela, a falsa,
A fictícia







Joel Matos