Poemas : 

Uivos da noite, silêncios da madrugada

 

Quando uiva a noite e cala a madrugada
acende fogueiras o meu coração
nas fagulhas dispersas e línguas de nada
dispo-me de mim olhando o horizonte
e a lua se esconde temendo a cor onde dorme
quieta e calada segue a melancolia
gemem as cordas tocadas nas cores do dia

são os fantasmas que se desprendem
que enchem a tela da vida
olho para ela, nada de cor...sentida
não quero o que vejo, nem o que sinto
quero apenas um olhar, aquele que pressinto

Fatima Santos

 
Autor
Whaine
Autor
 
Texto
Data
Leituras
78
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.