Poemas : 

As máscaras

 
Tags:  poesia    social  
 
As máscaras colaram nas faces,
Não ficaram apenas como disfarces.
As máscaras nos amarraram.
Usamos e abusamos. Elas nos capturaram.
Elas tendem a nos deixar com a cara lavada,
Sem coração, sem alma, olhando pro nada.
Nessa maré, o ser no parecer não aparece.
A ilusão bate asas, voa alto e incandesce.

Essa fotografia,
Que não retrata o que o fotógrafo percebia,
Abre espaço para a assombração, para o açoite
E para a serpente, que cresce dia e noite.

As minhas vistas escurecem nessa festa insípida
Feita por quem se aproveita dessa sociedade líquida,
Que assim como a água se ajeita onde é jogada,
Sem forma, conduzida pela gravidade e pelo vento.
Nesse estabelecimento
A vida é aviltada.
Os que sopram topam tudo pelo lucro.
O ser é só um fruto.
Isso corrói as sementes,
Faz surgir safras doentes.

De bom não vai surgir nada
De sementes envenenadas.
Em cima de uma árvore apodrecida,
Não se pode construir uma casinha cheia de vida.
Construir é difícil, demorado.
Destruir é fácil, num piscar está acabado.

Nessa atmosfera envenenada pelos que colhem o que não plantam
A flor murcha, os pássaros não cantam.
O sol, a lua, as estrelas não brilham.
O ar está pesado.
O mar, o rio, o riacho, nada está para nado.
O vento
Não balança as árvores oferecendo som e movimento.
Atacam a alma, petrificam o coração
E a natureza derrama lágrimas diante da destruição.

 
Autor
magnoerreiraal
 
Texto
Data
Leituras
166
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 10/06/2024 20:05  Atualizado: 10/06/2024 20:05
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 2029
 Re: As máscaras
"...nada está para nado..."

Favorito.
Há a intenção da marcar. As máscaras entram e marcam.
Versos muito bons.
Um poema muito agradável.

Abraço