https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Portugal às avessas

 
Hoje, enquanto sonhava, descobri que o meu país tinha mudado.
No Minho encontrei longas planícies, ei-la, é ela, a Catarina Eufémia.
E ali, na fronteira de Trás-os-montes, curioso, ficava Grândola,
E mais à frente Cuba, Borba, e sempre ela, a Catarina Eufémia.

E quando descia para o Douro e para as Beiras, encontrei a planície.
Com chaparros, azinheiras e sobreiros,
Porco preto, touros, carroças e medronheiros,
E o mesmo cheiro e a mesma embriaguês da planície.

E cheguei ao Ribatejo montanhoso, escondido, esquecido, medroso.
E em Almeirim, só batatas, nem melões havia;
Os touros tinham emigrado, sofriam de asfixia,
E o campino andava de burro cauteloso.

Coitado do Alentejo, nem migas nem cação;
Azeitonas horríveis, pior o pão.
Pois... que se pode dar em tais penhascos,
Num país revolto até aos cascos.

Só o Algarve estava no lugar;
Já não é Portugal, é estrangeiro;
Que se fartem, que esbanjem todo o dinheiro;
Que lhes vai escorrendo deste pardieiro.

 
Autor
maduro
Autor
 
Texto
Data
Leituras
925
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
fogomaduro
Publicado: 26/10/2008 15:52  Atualizado: 26/10/2008 15:52
Colaborador
Usuário desde: 06/08/2008
Localidade:
Mensagens: 1478
 Re: Portugal às avessas
Bela aguarela que aos olhos
recoloca a geografia

de um país do avesso

que trespassa e eu atravesso
como quem não assobia

para o ar, se desconverso.


Gostei desta sua mais água-forte do que aguarela.

Um abraço,

Domingios da Mota

Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 30/10/2010 17:57  Atualizado: 30/10/2010 17:57
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11102
 Re: Portugal às avessas
Maduro,
De um Portugal às avessas a vontade de homenagear uma ceifeira que marca a raça da mulher que luta por um ideal:

Eufémi Ceifeira

Com o suor no rosto
vai ceifando o trigo
com que faz o pão

A linda ceifeira
esconde a beleza
com que veio ao mundo,
num lenço que, atado
sobressai no brilho
da espiga dourada,
muito bem bordada
no seu avental

Traz na foice a esperança
da colheita farta.
E curva-se num corpo
prenho de embaraço

Musa de um pintor,
Catarina, o nome,
Eufémia de raça.

Mulher sofredora
que em nome de um povo,
foi sacrificada,
na luta encetada
por um ideal.


Beijo
Nanda

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/01/2011 18:44  Atualizado: 15/01/2011 18:44
 Re: Portugal às avessas
Olá poeta,as vezes precisamos sonhar para ver nosso país mais bonito, tantas coisas a serem feitas a serem mudadas... Belo o seu poema,


Beijo grande.