Poemas : 

O rebento que se deu.

 
Nascera então, de nossa outrora história
Que hoje só nos (digo eu) é memória,
Nascera ela, e pertinaz me é o tempo.

Desde então só, cá num estrovo desregrado
Ainda preciso tê-la, ora fruto do meu acto
Nem a um ovo hoje dão tanto cuidado
Vai se os dias, as mazelas me são facto

Fico noites, madrugadas perambulando
Escrevendo uns rabiscos e cantando
Para então, tentar algo apaziguar

Sem nos olhos, poder ver o meu descanso
Tudo para não deixar morrer num canto
Está falta, jaz saudade. Vais matar!


Antônio Logrado (heterônimo de Junior A.)


Antônio Logrado

 
Autor
Antonio Logrado Caeiro
 
Texto
Data
Leituras
740
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.