Prosas Poéticas : 

Cármen Miranda e O Barbeiro de Várzea de Ovelha

 
Tags:  artistas    Barbeiro    centenário  
 
Foi lembrado o centenário da grande Carmen Miranda.

Também nasci no Marco de Canaveses,
como ela, só que 30 anos depois, em 1939 .
Muito me surpreendeu e alegrou o destaque
que todos os media deram a esta efeméride.
Aqui pude rever os meus tempos de menino,
pois fui nascido e criado
numa aldeia semelhante àquela,
embora noutra freguesia...

Na terra da Carmen Miranda,
corre um ribeirito chamado Rio Ovelha,
que deu o nome à freguesia de Várzea da Ovelha,
Na minha terra corre outro
( onde aprendi a nadar) que se chama Rio Odres...

Em 1909…
O Barbeiro de Várzea de Ovelha era o Zé Pinto,
cujo nome completo era
José Maria Pinto da Cunha,
longo demais para os vizinhos…
nas aldeias abrevia-se tudo.

Um barbeiro na zona do Marco de Canavesas,
naqueles tempos tão recuados,
não possuía qualquer barbearia…
deambulava de porta em porta
com o seu estojo de barbear,
que além de navalha,
do pincel, do sabão e do amolador,
ainda continha um alicate especial
para arrancar dentes…

Na minha freguesia, o barbeiro,
senhor Alexandre,
também capava frangos,
ofício que ensinou e passou para a minha mãe…
Muitas vezes ajudei nessa tarefa.

Os Barbeiros eram pagos ao ano
em medidas de cereal, malgas de feijão,
uma por cada espécie
e ainda umas “ quatro canadas” de vinho
(pouco mais que um litro)

Quase todas as famílias tinham a sua hortinha
onde cultivavam as hortaliças e alguns cereais…
No curral, o porquinho ia engordando,
com os restos da cozinha
que numa pia de granito,
eram misturados com abóboras amarelas
e algum farelo que vinha do moinho.

Não duvido que o Zé Pinto
não tenha escapado
a esta carestia de meios de subsistência.
Tal facto esteve na origem da decisão
que tomou de emigrar para o Brasil
que então era o destino mais apetecível.

Minha mãe tinha doze irmãos.
Dez emigraram:
Dois para Moçambique e oito para o Brasil.

O que se passou depois
com o Zé Pinto e a filha
Maria do Carmo Miranda da Cunha
(que passou a ser Cármen Miranda),
já é do conhecimento de todos.
Mas julgo que nem todos sabiam
como se vivia em Várzea de Ovelha
no fim do século dezanove
e princípios do século vinte.



José Mota

 
Autor
PoetaSenior
 
Texto
Data
Leituras
3126
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/02/2009 21:34  Atualizado: 18/02/2009 21:34
 Re: Cármen Miranda
Amigo PoetaSenior

Li com indisível agrado este seu apontamento histórico que, para lá de muito bem escrito, me fez recordar os usos e costumes que igualmente marcaram a minha infância.Com cereal (trigo ou centeio) e vinho se pagava ao padre, ao barbeiro, e ao ferrador.
Continue a oferecer-nos estas peças de rara beleza.Abraço.



Enviado por Tópico
AntóniodosSantos
Publicado: 18/02/2009 21:49  Atualizado: 18/02/2009 21:49
Colaborador
Usuário desde: 10/12/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 997
 Re: Cármen Miranda
Meu Bom Amigo

Mas que maravilhoso texto, onde para além da sua escrita encantadora, que prende o leitor, do princípio ao fim, é um relato de que exala autêntica poesia, assente numa magnífica descrição antropológica...

Parabéns e Obrigado por compartilhar connosco toda essa recordação...

Com um grande abraço de Amizade

do António


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/02/2009 21:53  Atualizado: 18/02/2009 21:54
 Re: Cármen Miranda
Olá PoetaSenior.

Muito interessante esse lado histórico da vida de Carmem Miranda. Nasci em 1938, sou um ano mais velho que você. Meu filho tem uma pizzaria na cidade de Jarinu, São Paulo, e as paredes estão ornamentadas com fotos da Carmem Miranda. Vou enviar a ele esse seu poema.

Um abraço

Ulysses


Enviado por Tópico
Caopoeta
Publicado: 27/02/2009 18:43  Atualizado: 27/02/2009 18:43
Colaborador
Usuário desde: 12/07/2007
Localidade:
Mensagens: 1988
 Re: Cármen Miranda
obrigado pela informação dada caro amigo!
bons poemas e boas leituras...abraço!