https://www.poetris.com/
 
Textos -> Escolares : 

Até o melro

 
Sobre a sebe do quintal, pousa um belo melro. Mesmo ao lado de um saco de plástico, cujo brilho, em dia solarengo, o atraíra. Roda a cabeça, inspeccionando por breves momentos, e logo, virando para o lado oposto o seu alaranjado bico, levanta, em vôo rápido, a sua negra plumagem. De novo pousa, perto, na relva, agora junto a um pequeno pedaço brilhante - de celofane, ou plástico, talvez de um qualquer maço de cigarros, ou de embalagem de pastilhas elásticas... Olha à volta, escolhendo, segura o achado e leva-o voando, directo ao ninho no plátano próximo. Merece bem o nome de turdus merula, um pássaro que sabe reciclar.


José Jorge Frade

(inédito)
 
Autor
josejorgefrade
 
Texto
Data
Leituras
946
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
CarlosCarpinteiro
Publicado: 24/04/2009 06:25  Atualizado: 24/04/2009 06:25
Da casa!
Usuário desde: 22/02/2007
Localidade: Mondeville
Mensagens: 200
 Re: Até o melro
Até o Melro esqueceu: nem tudo o que brilha é ouro. Como educar os melros à cidadania se os próprios homens deixaram de ser cidadãos?
Um abraço ca do norte.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 24/04/2009 10:12  Atualizado: 24/04/2009 10:12
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: Até o melro
É por estas e outras leituras que bendigo a existência do Luso, obrigado, beijinhos