https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 ... 6 »
Offline
josejorgefrade
Quem quer saber?
Quem sabe por onde ando? Por que planícies me percorre a alma, em que fontes bebo? A que serra...
Enviado por josejorgefrade
em 06/12/2012 12:42:12
Offline
josejorgefrade
o ar que nos falta
Quantas folhas, do tempo filhas, desfilam as lembranças esperadas? Quantos fios, fados do amor d...
Enviado por josejorgefrade
em 24/11/2012 09:56:42
Offline
josejorgefrade
olhos secos
olhos secos pela manhã não nascida, olhos cansados; precisando aqui de um poema, precisando aqui...
Enviado por josejorgefrade
em 05/02/2012 07:10:51
Offline
josejorgefrade
Estrela de meu Pai
Saudade, de um tempo pausado, reflectido; de um estar de lado, com sentido; No lado certo da vid...
Enviado por josejorgefrade
em 04/01/2011 17:06:57
Offline
josejorgefrade
Em choque
Entre duas ciclópicas mós de novo nos trituram, Europa. Enquanto os desencontrados pratos da mun...
Enviado por josejorgefrade
em 26/10/2010 11:00:58
Offline
josejorgefrade
de Luz
libertaste a tua angústia deixaste que saisse a expressão da eterna pergunta, do medo: a v...
Enviado por josejorgefrade
em 17/07/2010 02:55:47
Offline
josejorgefrade
SOLSTÍCIOS
De Luz e Trevas nos compomos em eternos ciclos ora em oposições ora em dualidade geradora. De ...
Enviado por josejorgefrade
em 27/06/2010 07:53:16
Offline
josejorgefrade
a Paz que procuro
neste ardente dia em que o quente sopro cresta as folhas da palma regresso do profundo mergulho a...
Enviado por josejorgefrade
em 05/05/2010 14:16:07
Offline
josejorgefrade
som do teu ventre
numa casa de livros preciosos acorrentados à estante abracei-te a bacia, levantei-te dançámos e g...
Enviado por josejorgefrade
em 23/01/2010 08:56:24
Offline
josejorgefrade
pedra sobre pedra
Oh pedras, oh pedras, oh pedras dos meus avós, aldeias de Portugal; oh antigas chuvas, pedras de...
Enviado por josejorgefrade
em 23/06/2009 13:45:33
Offline
josejorgefrade
posto de observação
Ao meu posto de observação volto, esperando sinais como as inesperadas revelações. Para posto de...
Enviado por josejorgefrade
em 02/05/2009 16:29:12
Offline
josejorgefrade
Até o melro
Sobre a sebe do quintal, pousa um belo melro. Mesmo ao lado de um saco de plástico, cujo brilho, ...
Enviado por josejorgefrade
em 24/04/2009 01:32:00
Offline
josejorgefrade
errância
Oh inefável substância, da angústia vil matéria - que abundante degluto, ficando-me a sede, que n...
Enviado por josejorgefrade
em 29/03/2009 00:40:34
Offline
josejorgefrade
similitude e diferença
O que diferentes nos faz mantendo-nos iguais a nós próprios, a nós? Diferentes seríamos s...
Enviado por josejorgefrade
em 11/01/2009 02:40:43
Offline
josejorgefrade
ESTRANHO (O) CORPO
Sentir vazio o corpo de antanho como vil carcassa, abatida; sentir como outro, estranho, o qu...
Enviado por josejorgefrade
em 11/01/2009 02:39:48
Offline
josejorgefrade
NOITE DE AMOR
Um sonho de amor, um sonho; imorredoiro amor, sonho de uma vida. Vivido sonho real; real amor,...
Enviado por josejorgefrade
em 10/01/2009 17:32:43
Offline
josejorgefrade
Soprados versos...
Do verbo fácil, deuses soltai, palavras que em rebanho tendes e que em minha garganta suspendes t...
Enviado por josejorgefrade
em 06/11/2008 23:53:38
Offline
josejorgefrade
Exorcismo
Ó bruto animal, que dentro de mim te escondes, alienígena de antanho, nas minhas entranhas entran...
Enviado por josejorgefrade
em 30/10/2008 09:52:24
Offline
josejorgefrade
Cabeceando...
Língua presa, num pequeno mundo, suportando surda e torpe dor; mantendo olhar seco e rotundo p�...
Enviado por josejorgefrade
em 24/10/2008 15:50:43
Offline
josejorgefrade
Língua Presa
Para falar sofre-me a alma, por calar, me dói o coração; impopular drama não se filma - requer re...
Enviado por josejorgefrade
em 23/10/2008 12:59:41
(1) 2 3 4 ... 6 »