Poemas : 

Delírio

 
Tags:  amor    poesia    paixão    sonho    delírio  
 
Algozes ouço caminhando,
por essas terras ínfimas cambaleando,
estão os corpos das nações
cujo mal fizeram a natureza.

Apelo concientemente ao teu senso
que não descanses nesse vento
afim de que não te aflinja a dor
deste meu descontentamento.

Ouço passos na estrada,
em minha direção estão
os decapitadores de coração.

Silenciosamente me escondo,
prometendo não repolsar
enquanto esses algozes não convencer
que o bem é o único caminho a ter
de salvar este planeta.

E se ainda assim não me escutar
o chefe de tão poderoso exercito,
juntando-me a outros vou procurar
uma razão de salvar ao menos os mais pequeninos,
que quero do lado estar.

E tudo o que sobrar,
seja feliz e nascente,
seja perene e vibrante,
não seja morte atordoante,
daqueles que o mundo estão a amar.


Conde Guaraní
O Conde da Liberdade e das paixões.
JGB

 
Autor
CondeGuarani
 
Texto
Data
Leituras
710
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
SilviaReginaLima
Publicado: 28/04/2009 15:47  Atualizado: 28/04/2009 15:47
Colaborador
Usuário desde: 23/04/2009
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 816
 Re: Delírio
alo poeta

como vai?*** Poema forte e acertado.. Usando a palavra para denunciar o que está muito errado.. o planeta merece nossa participação individual *** Um beijo azul

Enviado por Tópico
jandeilson
Publicado: 28/04/2009 16:07  Atualizado: 28/04/2009 16:07
Participativo
Usuário desde: 21/04/2009
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 11
 Re: Delírio
É. Nosso compromisso com tudo o que representa a Natureza muito bem espelhados nesses versos.

Parabéns, que estejamos atentos aos seus escritos.