https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Balada do abandono

 
Não consigo sair desta escuridão,
desta solidão que existe no meu coração…
Olho em meu redor e nada faz sentido!...
Procuro o caminho que me traga de volta,
a luz que apague a noite que há em mim.
Rodopio num vazio vezes e vezes sem fim…
Quero sair! E então grito!
Mas a balada do abandono silencia a minha voz…

 
Autor
sandrine
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2932
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 26/05/2007 20:32  Atualizado: 26/05/2007 20:32
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14854
 Re: Balada do abandono p/ sandrine
Olá poetisa

A solidão é a principal causa
devastadora dos sentimentos
Muitas vezes gritamos e ninguém
ouve porque o grito sai dentro
de nós e o abandono vai se tornando
atroz...Gostei...

Beijinhos no coração

Enviado por Tópico
Angela
Publicado: 26/05/2007 20:53  Atualizado: 26/05/2007 20:53
Colaborador
Usuário desde: 28/09/2006
Localidade: Caldas da Rainha
Mensagens: 567
 Re: Balada do abandono
A solidão é muito destrutiva. Seria bom que o grito conseguisse vencer a balada do abandono.

Gostei muito do teu poema.

Um beijinho.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/05/2007 21:02  Atualizado: 26/05/2007 21:02
 Re: Balada do abandono
Não te deixes entrar nesse Mundo tão sombrio que é o abandono, pois ficas SÒ, e a Vida perde todas as qualidades que até então para ti teve!
Depois quando pretendes dessa angústia sair, o teu corpo já não dispõem de forças capazes de o fazer.
O abandono é uma enorme tristeza!

Enviado por Tópico
Tytta
Publicado: 26/05/2007 21:32  Atualizado: 26/05/2007 21:32
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2007
Localidade: Portugal
Mensagens: 789
 Re: Balada do abandono
Nunca estamos mais sozinhos e abandonados do que no momento em que nos abandonamos a nós próprios!
Que o silencio em sua voz seja breve...
Jinhos, Tytta