https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Sucedido há pouco

 
Bebi mais um copo esta noite.
Podiam ser muitos mais, mas não. Acautelei-me!
Foi apenas mais um copo
Entre as conversas banais de uma noite quente.
Aconteceu numa viela do Bairro Alto.
Ali, observei uma cara nova.
É certo que não é totalmente nova,
Mesmo assim afigurou-se recente.

É isso!
Recente é a palavra indicada,
Não tenho dúvidas.

Vejo-a muitas vezes por aí,
Em dias baralhados de um mês qualquer.
Os seus contornos perfeitos
Limpam a minha alma, desde hoje.
Ouviste o que tinha para dizer;
Tiveste essa paciência.
Prestaste auxílio à minha mágoa,
Partidária do meu sofrimento.

Alcancei-te um pouco,
Tão amena, apenas agora reparei.
Desculpa-me...

18 de Junho de 2009


© Gonçalo Lobo Pinheiro

Dedicado à A. L. S. (Grato pela amizade)
 
Autor
glp
Autor
 
Texto
Data
Leituras
482
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 18/06/2009 08:56  Atualizado: 18/06/2009 08:56
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: Sucedido há pouco
Muito bonito, este teu registo do «sucedido».
O que importa é que "reparaste" e de certeza que essa «cara nova» e paciente te vai desculpar!

Homenagem bela e simples.

Um beijinho

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/06/2009 16:58  Atualizado: 18/06/2009 17:05
 Re: Sucedido há pouco
Gonçalo, gostei muito deste teu registo recente...
Bem, ao que parece já não é assim tão recente. Entre ruelas e vielas há sempre nas noites quentes, o novo que se foca em nós.


Bjs

Dolores


PS: Tb podia ser eu a escrever este poema...é-me tão familiar

Enviado por Tópico
joseluislopes
Publicado: 18/06/2009 18:14  Atualizado: 18/06/2009 18:14
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade:
Mensagens: 3351
 Re: Sucedido há pouco
Meu amigo,

A palavra “reparar” é uma delícia, eu passo longos tempos com a sua companhia, e sempre nos demos bem.

Imagina uma personagem que nada nem ninguém repara que existe: calado, tímido, talvez até um pouco (como direi) deslocado dos tempos actuais.

Imaginas se alguém imagina que essa personagem repara sem ninguém reparar?

Claro que imaginas, tu reparaste.

Um abraço
JLL