https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Poema Online(CIRANDA)

 
Tags:  amizade    emoção    virtual    internet  
 
Proponho uma Ciranda Poética sobre virtualidade e poesia, interação distância, amizade virtual...Qualquer aspecto em torno da internet e sua atuação na vida das pessoas.

Literatura e Virtualidade
by Betha M. Costa

I
Engajados na modernidade,
Na era do imediatismo,
A virtualidade é realidade,
Do poema ao sedentarismo.

II
De poetas e prosadores,
Faz-se a nova literatura,
E de mui virtuais valores,
Enriquece a nossa cultura.

III
Virtualidade não é ilusão,
É a velocidade poética
A palavra em expansão,
Em dialética e estética.

VI
Roque Silveira

Tenho uma pena de poema num byte
Uma pétala de prosa na internet
O texto surreal em virtual light
Mas fujo à tristeza de um delete.

V
José Silveira

é a realidade virtual cara internauta
imaginem; poemas criptografados
o protocolo futuro é em gigabyte
poesias flutuando pelo ciberespaço

VI
Roque Silveira

Tenho um poema num blog rafeiro
Tão bem urdido por pestes da treta
Que nas leituras já está em primeiro
Porque o que vale é a imagem directa

Tenho outro blog bem feito erudito
Mas ninguém o lê, tal é o seu estorvo
Tem como lema o perfeito sentido
E como tema a razão de um povo

Mas o povo quer é poemas de amor
E se a barriga a dar horas se queixar
Chegam migalhas de riso e de humor
Pois o que conta não é pão é poetar

No virtual julga-se que o amor poema
É um tanto de belo, um tanto promessa
De mágoa doce, ou riso, santo esquema
Que pinta de azul o ser que atravessa

 
Autor
Betha Mendonça
 
Texto
Data
Leituras
1418
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
12
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 03/07/2009 17:57  Atualizado: 03/07/2009 17:57
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8368
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
Tenho uma pena de poema num byte
Uma pétala de prosa na internet
O texto surreal em virtual light
Mas fujo à tristeza de um delete.

Se não servir desculpa.
Quis contribuir, mas foi o que deu a inspiração no momento. Beijinho


Enviado por Tópico
gil de olive
Publicado: 03/07/2009 18:08  Atualizado: 03/07/2009 18:08
Colaborador
Usuário desde: 03/11/2007
Localidade: Campos do Jordão SP BR
Mensagens: 4838
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
Estava com saudades de seus textos!Muito bom reve la.


Enviado por Tópico
Vini1982poa
Publicado: 03/07/2009 18:30  Atualizado: 03/07/2009 18:30
Participativo
Usuário desde: 11/04/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 14
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
Boa tarde.A era do computador e da modernidade é inevitável,é presente,e o passado acabou-se como um vento.O que não acabou e perdura(graças a Deus) até hoje, são as obras dos grandes poetas e poetizas de antigamente,Carlos Drummmond de Andrade,Florbela Spanca, Fernando Pessoa, e outros. que eternizaram em frases e linhas, livros belíssimos de serem lidos.Parabéns pelo poema ,tão atualizado e moderno:O)
Abraço.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/07/2009 19:11  Atualizado: 03/07/2009 21:12
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
V

é a realidade virtual cara internauta
imaginem; poemas criptografados
o protocolo futuro é em gigabyte
poesias flutuando pelo ciberespaço


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/07/2009 19:37  Atualizado: 03/07/2009 19:37
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
Olá Betha minha amiga!
Prazer tê-la novamente por aqui...
E volta com o mesmo talento e ideias para lá de fantasticas, como neste texto!
Parabéns
Edilson


Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 04/07/2009 16:25  Atualizado: 04/07/2009 16:26
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8368
 Re: ♥ Poema Online(CIRANDA) ♥
Tenho um poema num blog rafeiro
Tão bem urdido por pestes da treta
Que nas leituras já está em primeiro
Porque o que vale é a imagem directa

Tenho outro blog bem feito erudito
Mas ninguém o lê, tal é o seu estorvo
Tem como lema o perfeito sentido
E como tema a razão de um povo

Mas o povo quer é poemas de amor
E se a barriga a dar horas se queixar
Chegam migalhas de riso e de humor
Pois o que conta não é pão é poetar

No virtual julga-se que o amor poema
É um tanto de belo, um tanto promessa
De mágoa doce, ou riso, santo esquema
Que pinta de azul o ser que atravessa