https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Homem do campo

 
Como posso eu homem do campo tentar poetizar
Se na beleza das palavras não tenho nenhum conhecimento para mostrar.
Sou mero agricultor que quase nada sei falar, imagine como poeta como vou me habilitar, a falar palavras lindas que não sei nem pronunciar.
Fico triste ao dizer isto mais não tenho como negar sou mis um dos desvalidos que não pode estudar.
Em um pais de tamanha riqueza mais com políticos a roubar, o homem destrói a natureza para poder dela lucrar.
Para pagar tantos impostos que não sei nem como explicar onde vai tanto dinheiro, que o pobre não vê chegar, para alimentar sua família tem as vezes que roubar.
Enquanto no congresso o governo reunia para aumentar o seu salario vota sempre a maioria.
Agora digam meus amigos como vou poetizar se com apenas 9 anos eu parei de estudar.


Luciano Ebeling Fonseca

 
Autor
luciano
Autor
 
Texto
Data
Leituras
9349
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Kira
Publicado: 25/07/2009 18:40  Atualizado: 25/07/2009 18:40
Colaborador
Usuário desde: 26/07/2007
Localidade: São Paulo
Mensagens: 805
 Re: Homem do campo
Ser um homem de procedência simples não desmerece o poeta que trazes na Alma. Antonio Aleixo foi um cauteleiro e pastor de rebanhos e deixou obras fantásticas.
O importante é o estado de poesia da Alma que é transformado em letras...
Há muita injustiça e desigualdade neste país, querido poeta... mas veja bem, podes voltar a estudar ainda, mesmo que seja cansativo.

Um abraço carinhoso para ti.





Enviado por Tópico
poesiadeneno
Publicado: 25/07/2009 20:30  Atualizado: 25/07/2009 20:30
Colaborador
Usuário desde: 27/06/2009
Localidade:
Mensagens: 1407
 Re: Homem do campo
Em Portugal e no Brasil existem poetas sem formação superior,com uma grande sensibilidade poética.
Deixo aqui uma amostra do A.Aleixo,como a Kira referiu:

"Eu não tenho vistas largas
Nem grande sabedoria
Mas dão-me as horas amargas
Lições de Filosofia."

Abraço