https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de ValterBitencourtJúnior

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de ValterBitencourtJúnior

Membro correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni e da Confraria Artistas e Poetas Pela Paz (CAPPAZ). Verbete do Dicionário de Escritores Contemporâneos da Bahia, organizado por Carlos Souza Yeshua.

Monólogo

 
Gostoso é o nosso
Expressar:
Intimo, quente, prazeroso, suave...
Nos lastimáveis momentos
Subitamente nos afastaremos
P´ra não fustigar as flores,
P´ra não corromper as rosas...
Quero enfatizar o meu amor,
Fantasiar a nossa vida.
Rapidamente não te avisto
Me bato com os dentes,
Não conseguindo
Avistar beleza.
E faço da minha vida
Um monólogo
Sombrio sem respostas.
 
Monólogo

Dia de hoje

 
No outro rumo,
No amor, a separação
Te torna uma mentira
Igenua, convencional
Que te consome e absorve
Até tu te integrar
Por inteiro
Por um ser que
Te enlouquece,
Te aquece,
Te adora
Dos dedos dos pés
Deslizando até o pescoço
Te alimenta
E cresce contigo o fogo,
Faz do branco das nuvens
Inesquecível rascunho
Desse esplendido
Dia de hoje!
 
Dia de hoje

Destino

 
O passado bate em minha porta feito chamas
Carregadas por um furacão,
Enfurecidas lembranças.
Jamais separaria os meus erros dos meus fracassos,
Há coisas que não queremos que sejam eternas
Como a realidade dos seus braços:
É como comprar alguém
E não querer ser comprado;
Explorar e velar um diamante tão raro…
Mas a joia mais cara do mundo não existe
O destino está voltado pra todos
Ou simplesmente estou triste.
 
Destino

Vida

 
Amar, amar a sorte de viver,
E de tudo crer em Deus...
O mundo acabou, acabou para
Renascer em flores...
Poucos sabem o valor de viver!
Sonhar o impossível, e beijar
O infinito, e erguer a mão
Na plenitude, é ver a sorte
De renascer.
Renasça, e sempre
Como uma mariposa alçando
voou e um tigre nas vitórias,
Sem deixar de amolecer o coração.
 
Vida

Beijo

 
Meu coração
Prisioneiro
Libertou-se.
 
Beijo

Sou poeta

 
Escuto, escuto a vida
Ando no horizonte…
Traço do passado.
Canto para ninar
Meu coração de todas as lembranças
Sinto cheiro de telúrio molhado
Neste dia poético
Sou poeta!
 
Sou poeta

A vida nos pertence

 
Nascemos e respiramos a vida
Somos uma matéria importante
Da natureza, pertinente
Ao meio ambiente, muito mais
Que uma simples partícula.
Este o nosso habitat,
Este o nosso mundo,
Cheio dr crenças, e sentimentos
Quase que extinto.
Nascemos para viver a vida,
À vida nos pertence,
Somos mais que uma máquina
De produção, ricos em imaginação,
Somos mais que uma simples utopia,
Quem nos diz a verdade?
Somos vida, circulamos,
Dançamos, rebolamos...
Vivemos toda a biodiversidade,
Fazemos parte do ecossistema,
E também de uma cadeia alimentar,
Nos devoramos, mas também
Temos nossos sentimentos,
Queremos o nosso melhor,
Esquecemos do outro,
Temos o nosso lado egocêntrico
Temos a nossa ambição individual,
E assim também vivemos.
Somos bio e vivemos a diversidade,
Somos mais que uma simples molécula,
Temos cérebro, raciocínio
E necessitamos usar.
Nascemos para viver à vida,
Para deixarmos o melhor da gente
Para a futura geração.
 
A vida nos pertence

Eu/você

 
Eu sozinho
Você também
Agora estamos juntos.
 
Eu/você

Partida

 
Cava
A
Cova
De quem
Vai
Embora,
Sem a despedida.
Não há consolo
Abraço
Para quem fica.
Cava
A cova
De quem parte
E vira estatística
Nem todos
Se importa
Com a vida…
A
Vida
Do outro
Que vai
– Fica esquecida.
Não resta
Mais memória,
Queima
Os arquivos
Da história.
E espalham
Que nada
Vem sendo
Realidade
No coração
Humano
Também há
Maldade.
Cava
A cova
No mundo
De pessoas
Viva e por dentro
Morta.
 
Partida

Vícios

 
Entra de cabeça e pés
Em um caminho sem saída
Sua vida iguala um forte rubro
Sem paz!
Faz da vida um jogo
Que flutua e desce
Nas águas cristalinas
E se transforma
Em sofrimento singelo
Se perde nos vícios asquerosos
Quando tudo esta pra ser tarde
Você se isola, se entrega
Sequer vislumbra vontade
Se debate com crise
De abstinência, pertinência
Dias depois tudo parece ser bem.
É solto!
Mas o que vem a sua cabeça
Alimenta-se dos seus vícios
Deixando tristes lágrimas
Descendo pelas cachoeiras?
 
Vícios

Aguardente

 
À Donald Trump

Todos os dias nasce um canalha na política
Para o desespero da sociedade...
A cada dia criam leis, fazem a guerra,
Matam quem não tem culpa, enganam,
Alienam o povo. Ainda nasce Aldolf Hitler
Na Sociedade, um governo corrupto nasce
Todos os dias, o fascismo se esconde por trás
Das propostas e de cada propagandas política.
Nasce Benito Mussolini todos os dias, na política,
Em tudo aquilo que dita ordem à sociedade,
E que no fim assassina milhares,
Fazem uso das palavras friamente,
E há quem acredite lealmente.
Todos os dias nascem filhos da puta
Para sustentar o sistema capitalista,
Para meter o medo nas pessoas,
Para rir da minha cara, da sua cara,
Da cara de todos. E a culpa da miséria social
É colocada na inflação, em um mundo de consumistas,
Dividido por classes sociais.
E a sociedade paga a própria penitência
Para o sustento do governo - desgoverno.
Todos os duas nasce gente de má índole,
Nasce gente querendo por a mão
Na gente e nos governar,
Todos os dias nasce alguém dizendo ser confiável
Para o massacre da sociedade.
Querem criarem milhares de muros de Berlim,
Querem criarem as cercas elétricas para a separação
Dos países. Todos os dias nasce
Um governo querendo ser um Deus, todos os dias
Nasce um Füher, as grandes milícias
A cada dia a se fortalecer, a guerra do estado e o tráfico,
Minha sociedade marginalizada, todos os dias
Criam campos de concentração, céu aberto,
Gás lacrimogênio a asfixiar, bala de borracha a deixar marcas,
Spray de pimenta a cegar.

É mais que necessário escrever, escrever para que tudo seja registrado, para se libertar, e libertar. Escrever é mais que necessário!
 
Aguardente

Esperança

 
O meu verde
Confunde sua visão
Quando estou entre as palmeiras
Em sua casa, no quebrar de um
Copo em vez de azar
Levarei esperança
Ao seu
Sentir sem sorte.
 
Esperança

Impulso

 
"A vida é um vício/ e o suicídio/
uma alternativa/ indagações alheias
que roubam o sono."
(Almandrade)

Impulso! Às vezes brigamos
Em dois elos, entre o tempo e o
Vento. Nem sempre se sabe
Quem vai vencer,
Mas seja o que for no fundo
Se transformará num hábito...
Somos jovens nunca se sabe
Onde se pode achar novas
Sensações , ás vezes tudo
Vira uma overdose que se
transforma em abstinência...
A abstinência é a cura dos hábitos
Humanos, que nunca deixa
De matá-lo aos poucos.
Jovens sempre em busca do
Impossível, sempre se lembram
de futuros passados; se perdendo
Em varias crises de amor,
De abstinência.
 
Impulso

Mãe terra

 
Salve a mãe terra,
A mãe terra que nos habita,
Salve!
Salve a mãe terra,
Que nos alimenta,
Salve a mãe terra
Que nos nutre,
Salve!
Salve a mãe terra,
Terra que nos cria.
Salve a mãe terra,
Com amor.
Salve a mãe terra
Que muito quer esbanjar beleza.
Salve a mãe terra,
Que muitos estão destruindo!
Salve a mãe terra!
Tenhamos consciência,
A mãe terra faz parte
Da nossa existência!
 
Mãe terra

Libertação

 
À José Martí

Dar a vida pelo país,
Jorra o sangue em defesa do povo,
Lutar de corpo e alma, eis a vida
De quem batalha.
Querer a liberdade, e ser livre
Para escolher entre a liberdade
E a prisão libertar e libertar-se.
Eis, poesia a libertação,
Eis o amor a libertação,
Eis a vida em busca de liberdade,
Eis o viver a libertação,
Eis, viver e correr o risco.
Querer ser livre e ser livre
Sem roubar o direito do outro.
Revolucionar coletivamente,
Junto com o povo.
Saber que numa nação tem vida,
E preservar a vida é muito importante,
É lutar pelo porvir, e buscar o sorriso
Das crianças brincando na rua
Livremente.

Lutar pelos nossos direitos, calar jamais, que não nos deixemos nos prender no medo, a voz não pode ser sufocada, muito menos a ação.
 
Libertação

Dúvida

 
Quero matar minhas dúvidas
E saber das suas dúvidas
E continuar duvidando, o nosso querer.
 
Dúvida

Decisão

 
-Dizei-me poeta,
Uma palavra
Mais bonita
Que avante?
-Doravante!
É mais
Que uma decisão,
Para seguir
Rumo ao futuro,
Trilhando os sonhos!
Além da utopia!…
 
Decisão

Pegada

 
Meu peito é nada mais nada menos
Que um mar de ondas.
- Vai e vem pelas areias
Sem fim. Meninos pequenos

A construir castelos, e a criar
Em suas imaginações, dragões
E eu com a minha amada, a beijar
O tempo... E peixes por entre rufões

Águas marinhas a fazer o encanto,
Conchas a espalhar-se pelo chão,
E o vento a fazer do meu peito lamento

Minha amada partindo, vai paixão,
Nada posso dizer vai, deixando pranto
E assim acordei do sonho, presas no coração.
 
Pegada

Pileque

 
Desgraça alheia
Oh! Vida insignificante
Pra que tantos passos errantes?
Passos que deixam rastros
Não laváveis,
Sua euforia é disfarce.
Sequer
Sabe-se o fim
Terminados em discussões ou distorções
Por que nos fustigas,
Descabível pileque?
Desgraça do homem
Desse seu sorriso
Prefiro distância
Distância que me deixará
Marcas.
 
Pileque

Uma rosa

 
Miro em minha frente
Uma rosa falsa,
Talvez uma rosa,
Feita por uma mão
Delicada!
Miro uma rosa
Sem espinhos,
Uma rosa completamente
Rosa.
 
Uma rosa

Valter Bitencourt Júnior, nasceu em Salvador, Bahia, Brasil, em 25 de junho de 1994, é anarquista, blogueiro, poeta e escritor brasileiro. Filho de Maria Lúcia da Silva e Valter Bitencourt, tem dois irmãos e uma irmã (Vagnei, Leandro e Lucielle).