Poemas, frases e mensagens de Esther

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Esther

A ESSÊNCIA FAZ A DIFERENÇA

 
É constrangedor o agir de pessoas denominadas escritores e/ou poetas que, infelizmente, não entendem o verdadeiro significado da poesia, e, do ser poeta; não meditam sobre a responsabilidade do que escrevem.

Os nossos personagens podem brigar, armar barracos, ser mal-educados, desrespeitosos, agressivos... Podem, até mesmo, ferir a sensibilidade do leitor – afinal de contas, o poeta vive mil vidas em um só fôlego.

O poeta nato edifica através das letras; não mata, não desestrutura; é compassivo, escreve das próprias experiências, dos momentos de observância e/ou de sua criatividade.

A vida nos molda e, nos ensina a pensarmos antes de teclar e/ou de agir.

Diplomas, certificados, comendas, enfim... Títulos, não educam, só engordam o ego.
Esses, são bem-vindos aos preparados pela vida.

Penso ser de extremo mau gosto, se usar e/ou expor Academias de Letras,através dos atos impensados de alguns;dissabores e rusgas devem ser tratadas particularmente – as Academias julgam, a capacitação do ser; o potencial cultural de cada um de nós – o que se deixa transparecer – é fácil, mostrar "boa educação" aos internautas, porém, diante de certas atitudes tomadas de forma impensada, percebe-se a verdadeira essência dos doutores e dos que simplesmente escrevem.

Diante de qualquer atitude e/ou comentário abusivo, por parte de literatos, ou, não – a melhor resposta é a que não damos, para que o tempo o faça.
Temos uma arma poderosa: as letras, com elas fazemos milagres – bons e instrutivos.
Vale a pena transformar cada dissabor, cada lágrima, em pérolas.

A sabedoria japonesa nos ensina algo belo: quando um vaso é rachado emenda-se, artisticamente, com uma camada generosa de ouro – o quebrado pode se tornar mais valioso do que o inteiro.
Lição japonesa.

EstherRogessi,Crônica: A ESSÊNCIA FAZ A DIFERENÇA, Recife,26/11/12
 
 A ESSÊNCIA FAZ A DIFERENÇA

POR QUE NÃO FALAR DE FLORES?

 
POR QUE NÃO FALAR DE FLORES?
Por EstherRogessi

Essas personagens de peculiar beleza; obra do pintor-mor da natureza, e autor de nuances infindos.
A visão de um campo florido, ou de uma simples flor nascida na fresta de um muro maravilha-me às vistas.
Cada uma delas – às flores – embevece-me, enternece-me. Desde às do campo, até as mais raras. Contemplo-as, preferindo-as sempre, onde Ele as plantou, para que assim, eu possa por mais tempo deleitar-me em vê-las (...) “O verdadeiro amor dá liberdade ao ser amado”. Satisfaz-me mais vê-las bailar ao vento, que prisioneiras em vasos d’ouro. Aliás, grades de ouro cravejadas com brilhantes, não deixam de serem prisões. Dentre elas, uma é rainha: a “rosa”, tão perfeita... que, o Criador decidiu, colocar-lhe uma sebe, proteção natural – os seus espinhos – autodefesa para os percalços do caminho.
 
POR QUE NÃO FALAR DE FLORES?

Cabul (Poema minimalista) Homenagem ao meu amigo Cabul

 
Que em Cabul, haja poesia...
Que em seu céu plainem às pipas
e não os besouros de aço...
Que suas mulheres possam ler
e escrever, amar livremente,
poetar... Como hoje, eu faço!

This" rel="nofollow">http://i.creativecommons.org/l/by-nc- ...
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative" rel="nofollow">http://creativecommons.org/licenses/b ... 2.5/br/">Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License
 
Cabul (Poema minimalista) Homenagem ao meu amigo Cabul

SINFONIA DE CORPOS

 
Acheguei-me a ele...
Frente à frente, olhos nos olhos,
sem palavras fomos eruditos.
Em prelúdio... Soltei os cabelos,
maneei a cabeça, pronta para o primeiro ato...
Doei-me intensa... Ávido me recebeu
Doce, inesquecível poslúdio!
 
SINFONIA DE CORPOS

AMOR INCONDICIONAL É ASSIM

 
“Mesmo as rosas possuem espinhos... A arte da vida está em saber tocá-las. Impossível amá-las e colhê-las, separando-as dos seus espinhos. Meditemos no fato que, nenhum amante das rosas, dá importância a sua parte danosa... A sua beleza é exaltada, sem que os seus espinhos fiquem de fora”.

EstherRogessi
 
AMOR INCONDICIONAL É ASSIM

 
Nu...

Assim nasci, assim, fui gerado...
Enquanto no ventre, não havia pecado,
Alcancei o alvo na travessia a nado,
Eu era livre!... De olhares, de pressões,
livre de acusações... Não era julgado.
O momento esperado, enfim, foi chegado,
O peso da vida veio sobre mim...
Então senti... A morte na vida,
Chorei, pois, perdi minha privacidade...
Em verdade, a vida... tirou isso de mim!
Vestiram-me para cobrir o que feio julgaram,
Como assim? Faz parte de mim...
Cada pedacinho meu...
... Foi Deus que me deu... Ele me fez assim!

Esther

Copyright: proibir a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a prévia permissão da autora: http://www.Esther.recantodasletras.com.br

Esther,“Rogessi”, Prosa Poética NÚ,Luso-Poemas, 27/02/09. Publicado no Recanto das Letras em 26/02/09. Código do texto: T1459178
 
NÚ

A FAMÍLIA PRIMAZIA DE DEUS

 
TEXTO IMPFAV

Vivemos um tempo, em que, infelizmente, a inversão de valores, tem sido constante em nossas vidas; objetivando mudar o sentido ético e moral do ser. Levando-o a esquecer os ensinamentos e as verdades cristocêntricas; induzindo-o a banalização do pecado, onde a ordem e a decência assumem valores antagônicos, a tudo quanto se possa entender, por dignidade e cidadania; imbuindo-se de uma visão degradante em nome do que muitos designam - modernização. Isso abrange uma infinidade de abordagens. Essa introdução, certamente, poderá preceder outras temáticas similares a que, ora, trataremos a seguir: A Família - Primazia de Deus.
Sabemos que a família é o centro do equilíbrio em Deus. E que, a união dessa; a submissão dos seus ramos ( filhos), em obediência e respeito, aos seus genitores, formará uma nação ordeira. Devemos primar pelos bons ensinamentos, digo isso, concernente a educação familiar.
"Instrui a criança e não será preciso punir os homens" (Pitágoras).
A visão moderna excede em liberdade, essa, tende conduzir, os de caráter em formação, à libertinagem; essa visão modernista tem degenerado, um seguimento, de total relevância, concernente a formação de um povo ordeiro e equilibrado. A falsa visão modernista tem colocado o conforto, a abundância material, gerida através das finanças, como que, referencial do bem-estar familiar; como que, centro, foco; meta para a felicidade; Idealizado a riqueza como primazia e mola propulsora para uma vida digna e harmoniosa. Dessa forma, todos têm que manter um –falso- padrão de vida; um poderio econômico acima de suas expectativas. Assim sendo, mães e pais, empenham-se em ganhar dinheiro; fabricá-lo a qualquer custo, para que possa proporcionar aos filhos a falsa realidade de que se o vizinho rico se veste bem nós também podemos... Em verdade, há um ponto em que financeiramente falando, há equiparação de classes: a entrega dos filhos a sorte. Esses, são criados por babás, ou, em creches. Filhos que assumem, sugam - quais esponjas -, costumes, que não os de suas raízes; longe dos pais, do zelo e do amor, que lhes deveriam ser peculiares.
Essa geração, pouco tem a oportunidade, do convívio familiar; de vivenciar pequeninas coisas, em família, que fazem a total diferença no crescer e nas lembranças futuras da criança e, que, influenciarão na formação do seu caráter; no seu "psipue."
Quando todos estão em casa é a TV, a fazer o papel de babá... A criança para! Vive como estátua, não exercita o corpo, nem a fala, assim, segue, sem que receba a atenção e o carinho que lhe é devido. A mamãe está sempre tão ocupada... A criança cresce em revolta; apesar de todo o conforto, falta-lhe o colo dos pais. Certamente que, ninguém, nem coisa alguma, suplantarão!

Haverá sempre uma lacuna; uma tremenda carência que, jamais será preenchida. Por mais mordomias que, ela - a criança - possa ter, vai desejar ter bem menos, em troca da atenção e do amor que lhes é negado.
Lembro-me de uma criança que, quando em visita aos avôs, estava assistindo a TV - a avó trabalhava escrevendo em seu computador -, para chamar a atenção da vó, a criança disse: - Vem, vó, brincar... A vó, desejosa de terminar o trabalho, respondeu-lhe: - Espere um pouco, estou indo!
A criança insistiu: - Não gosto de ficar só!
A avó apressou-se em responder: - Mas, você não está só, eu estou aqui! E, você está assistindo TV... filhinho!
Respondeu a criança, perguntando: - A TV é minha família, é vó?
Imediatamente, a vó, largou tudo, para dar a devida atenção ao netinho. É imprescindível entendermos que, se os nossos filhos tiverem menos mordomias e mais amor... Serão eternamente nossos!
A carência afetiva familiar leva, a criança, o jovem, à descoberta de algo novo que, venha suplantar, preencher-lhe o vazio - gerido pela carência afetiva familiar.
Surgirão as más amizades; as drogas, a marginalidade; o caos, para só então, acontecer o terrível despertar da família, diante das quase sempre, perdas irreversíveis e catastróficas.
Que Deus nos ajude a valorizarmos mais a família do que às riquezas.
Disse David O. Mackay: "Nenhum sucesso vale o sacrifício de um lar!"

TEXTO IMPFAV:A Família:Primazia de Deus.

http://www.recantodasletras.com.br/audios/poesias/40199
 
A FAMÍLIA PRIMAZIA DE DEUS

A POESIA E SUAS NUANÇAS

 
BREVE HISTÓRICO

Tem-se conhecimento de que a “História da Poesia no Brasil” tenha sido iniciada através dos jesuítas especificamente, através de José de Anchieta. Em tempos passados. Nos grupos escolares, aprendíamos que o catequisador, evangelizador e mestre José de Anchieta, ensinava aos índios escrevendo na areia. Dessa mesma forma ele escrevia versos à Virgem, no primeiro século da colonização do Brasil - século XVI. Porém, com o passar dos séculos, a poesia passou por várias escolas, até a época atual a qual chamamos de pós-modernismo – onde a produção poética ganhou liberdade, seguindo assim, o estilo de cada autor.

ESSA MUSA CHAMADA POESIA

É inconcebível a ideia de ser-se indiferente a ela...essa, musa é literalmente irresistível! Encanta e comove homens e mulheres, de todas as idades, credos, etnias..ninguém consegue resistir-lhe. Aos que desprezam-na por terem a concepção de ser “coisa de mulher,” abraçam-na em forma de música.., uma, é parte da outra..e, as duas juntas é poesia e/ou música.

Quem pode se manter indiferente a obra prima de Carlos Drumond de Andrade, que veio se fixar, na mente e na voz do povo brasileiro - tanto quanto do estrangeiro -, através da maravilhosa melodia, composta pelo compositor-cantor e poeta Paulo Diniz, quando a vestiu de gala, transformando-a quase que, em um hino da MPB intitulado: “ E AGORA JOSÉ?” UM dos mais belos exemplos de POESIA EXISTENCIAL.

E AGORA JOSÉ?
Composição: Carlos Drumond de Andrade
Melodia: Paulo Diniz

E agora, josé?
A festa acabou,
A luz apagou,
O povo sumiu,
A noite esfriou,
E agora, josé?
E agora, você?
Você que é sem nome,
Que zomba dos outros,
Você que faz versos,
Que ama, protesta?
E agora, josé?

Está sem mulher,
Está sem carinho,
Está sem discurso,
Já não pode beber,
Já não pode fumar,
Cuspir já não pode,
A noite esfriou,
O dia não veio,
O bonde não veio,
O riso não veio
Não veio a utopia
E tudo acabou
E tudo fugiu
E tudo mofou,
E agora, josé?

Sua doce palavra,
Seu instante de febre,
Sua gula e jejum,
Sua biblioteca,
Sua lavra de ouro,
Seu terno de vidro,
Sua incoerência,
Seu ódio - e agora?
Com a chave na mão
Quer abrir a porta,
Não existe porta;
Quer morrer no mar,
Mas o mar secou;
Quer ir para minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
Se você gemesse,
Se você tocasse
A valsa vienense,
Se você dormisse,
Se você cansasse,
Se você morresse...
Mas você não morre,
Você é duro, josé!
Sozinho no escuro
Qual bicho-do-mato,
Sem teogonia,
Sem parede nua
Para se encostar,
Sem cavalo preto
Que fuja à galope,
Você marcha, josé!
José, para onde?
Você marcha José, José para onde?
Marcha José, José para onde?
José para onde?
Para onde?
E agora José?
José para onde?
E agora José?
Para onde?
A poesia anda de braços dados com a música que é a mais pura expressão poética. Segundo o ensaísta brasileiro Júlio Braga, a música é a expressão poética mais autêntica.

O QUE NOS ATRAI À POESIA?

Podemos dizer que - em parte - poesia são fantasias reveladas. O que nos impulsiona a viver são os sonhos, a fantasia. Tudo quanto se pode obter, nasce de um sonho, de fantasias que podem vir a se tornar concretização. É através dela – a fantasia – que vivemos o impossível ou, melhor, fazemos do impossível possível. Através da fantasia temos a oportunidade de viajar metaficamente falando. “vivenciar os nossos sonhos...” Os desejos contidos no nosso âmago.
Adentrando às portas da fantasia, por momentos, assumimos personagens; liberamos a nossa capacitação criadora e, através dela, trazemos à tona os desejos mais escondidos, no nosso fiel e eterno companheiro: o “outro eu...” O ser humano é um ser díspare por natureza. Em todos nós existe dualidade: o “eu revelado” e o “eu oculto.” Nesse eu oculto, no “eu fantasioso,” de múltiplos sentires, guardados à sete- chaves.., existe uma parte, a qual, é só nossa.. a outra parte, desconheçemos. Esse oculto do oculto virá à tona, será exposto, em forma de reações às ações à nós dirigidas, em momentos, em situações inesperadas, como exemplificamos através do poema:

UM SER ABSTRATO

Quem sou eu?
Fui crescendo e recebendo
várias informações:
Isso pode, isso não ;
assim seja!
Assim não!
Quero assim!
Assim não quero!
Mudando minha visão...
Moldando o meu viver,
fazendo então eu ser
o querer de outra pessoa.
Quem eu sou ... está oculto,
eu não sei me desconheço...
Só sei que algumas vezes,
eu surjo... eu apareço...
Por isso de vez em quando,
Espanto-me e então digo:
Como pude, como posso?
Não queria fazer isso...
De vez em quando ações,
surgem de dentro de mim,
que me espantam
... fico em choque...
Eu não queria ser assim!
Quem sou eu?
Quem eu sou?
Saberei um dia enfim?
(EstherRogessi)

A POESIA COMO INSTRUMENTO DE CURA – TERAPIA

Há estados depressivos que são tratados através da poética, da escrita. Quando guardamos nas nossas mentes fatos, acontecimentos, lembranças, que nos corrói a alma e se transformam em traumas; quando negamos compartilhá-los com o próximo, podemos recorrer a eficácia da escrita. Não esqueçamos de que um dia, compartilhávamos com o nosso amigo “DIÁRIO,” o nosso dia-a-dia. A ele, confidenciávamos os nossos mais íntimos segredos. E, quantos desses, se publicados, se tornariam magníficas obras literárias? As cartas que escrevemos - sabendo não enviá-las - que, no momento, serviram de “cura interior.”
Sabemos, que muitas crianças, geralmente costumam conversar com amiguinhos imaginários, principalmente quando não teem irmãos.É fuga da solidão; prevenção contra estados depressivos e apatias que seriam transformadas em males da alma e consequentemente, em doenças psicossomáticas - males da mente refletidos no corpo -. Mente sã corpo são ( Juvenal poeta romano).

A COMPOSIÇÃO POÉTICA E A DISCIPLINA À LEITURA E A MEDITAÇÃO É CAMINHO PARA A CURA

Há pessoas que sofrem de ansiedade crônica. Costumam expressar esse distúrbio, através da fala - Logorréia- atropelam os que estão com a palavra, em uma demonstração contundente de querer sempre a atenção de todos. Existe um apresentador de TV, que tem esse distúrbio. Quando entrevista alguém, a ansiedade faz com que ele esqueça a educação e a virtude de saber ouvir. Não deixa o entrevistado responder, falar o que tem de ser falado - ele é o astro - e, responde sempre ao que ele mesmo quetionou, deixando o convidado com "cara de tacho."
Esse disturbio, essa forma de ansiedade, pode ser tratada através da disciplina da leitura e de exercícios poéticos que conduzem à meditação. Educar a mente e discipliná-la é caminho para a cura.

A FANTASIA É UMA PREVENÇÃO CONTRA A LOUCURA

O QUE É “LOUCURA?”

Por EstherRogessi

Loucura é ultrapassar
A barreira do impossível...
O impossível mudar,
Fazendo dele possível.
Loucura é o irreal,
O que foge da razão...
Toda ação anormal,
Que foge ao nosso padrão.
Toda anormalidade
Por nós vista na vida...
Chamamos de insanidade,
Insanidade há então,
Em toda anormalidade,
Ao que foge do padrão!...
Há ações nesta vida,
Que surgem em um segundo,
Em um momento atroz...
Fazendo do sábio louco,
E do louco um herói!

A POESIA COMO DIAGNÓSTICO PSÍQUICO

Da fantasia a revelação do “eu oculto.”

Segundo o poeta Fernando Pessoa, o poeta é um fingidor.Expressão descrita no seu poema:

AUTOPSICOGRAFIA .

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.

Entretanto, podemos através da forma fantasiosa e/ou “fingida” do autor, captar os segredos do seu “eu.”Mesmo sendo ele um fingidor, estando à cada poema se travestindo em personagens mil; criando através da poesia lírica, existencial e/ou de tantos outros tipos - amo a poesia cosmogônica de Adélia Prado -. É sempre possível captar a sua essência.

A POESIA E A LITERATURA...SÃO CURATIVAS E AO MESMO TEMPO.. INDUTIVAS.

O Romantismo na Literatura Alemã

O poeta, escritor e romancista alemão Johann Wolfgang Goethe (1774) expressa de forma clara o poder de cura existente na Poesia, na Literatura.

"Onde eu me sentia liberto e aliviado, porque havia transformado a realidade em poesia... meus amigos se enganaram, acreditando que se devia transformar a poesia em realidade."

Estas palavras escritas por Johann Wolfgang Goethe expressaram a sua tristeza, pela horrenda repercussão que obteve o seu romance intitulado: “Os sofrimentos do jovem Werther.” Goethe pensa, no fato de que o romance por ele escrito, cujo contexto expressa as tristezas de Werther – personagem principal - por um amor não correspondido, e, que o conduz a efetuar um disparo na própria cabeça, sendo logo após, encontrado por seu criado mergulhado em uma poça de sangue, e que o narrador dos fatos, conclui dizendo: “ Está morto. Não sofre mais.”

Esta fantasiosa afirmativa levou inúmeros jovens ao suicídio em todo país. Aos vinte e cinco anos de idade, Goethe ficou famoso na Europa e até no Oriente. Por onde o seu romance era lido, sucessivos suicídios aconteciam. A ponto de o Papa colocar o romance de Goethe no índice dos livros proibidos.
“Goethe sempre considerou a poesia como impossível de ser analisada, segundo ele, por se tratar de algo demoníaco...”

– A esse respeito antes de tudo afirmo categoricamente que a Palavra falada e/ou escrita em suas múltiplas formas tem PODER! Penso que a qualidade da água depende da fonte; que temos o que cremos; e que a boca fala do que está cheio o coração.

A poetisa e literata Adélia Prado – a minha admiração e respeito – diz através de uma personagem: “a glória de Deus é que o homem viva”. E a Literatura é, certamente, um modo eficaz de driblar a morte."

– Diante de todo o contexto ora, apresentado, com certeza, sabemos ser a Literatura, a escrita, e a poética em suas variadas formas, fonte de cura. Porém, nós autores, temos a imensa responsabilidade com o que escrevemos, com as nossas palavras. E com o transformar "verdades em poesias." Pois, da mesma forma que o segredo deixa de ser segredo quando revelado, fantasias deixam de sê-las quando concretizadas – mesmo que na forma escrita,através de personagens mil.

EstherRogessi.Escritora UBE.Mat 3963. Tutorial: A POESIA E SUAS NUANÇAS. 29/08/10. Fonte: Web. Imagem Clarice Lispector Web.Montagem por EstherRogessi

This" rel="nofollow">http://i.creativecommons.org/l/by-nc- ...
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative" rel="nofollow">http://creativecommons.org/licenses/b ... 2.5/br/">Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
 
A POESIA E SUAS NUANÇAS

O Teu Espaço Termina Quando Começa o Meu

 
O Teu Espaço Termina Quando Começa o Meu.

T emos que agir sabiamente,
E usar de sensatez...conhecer nossos limites
U ma e quantas vezes precisar... digo isso a vocês!

E spaço que não é meu... tenho que ter permissão,
S abedoria usar, pedindo licença pra voar,
P ra me livrar de sofrer por usar de intromissão!
A cho ser de bom gosto... princípio de educação
Ç edilhando a palavra cumpro a regra de pontuação,
O mesmo acontece ao respeitar o alheio, isso me enobresce.

T em quem chegue de mansinho como se à caçar veado...
E toma posse de tudo... deixa o dono de lado...
R umo certo, prumo certo, é o que desejo a você...
M aravilha é cooperar, sabendo se posisionar,
I ncompreensiva eu seria se isso não acontecesse...
N ão queria cordelisar pra que você não entristecesse,
A gindo assim como estou, chamo a sua atenção...

Q uero dizer ser penoso cair do espaço o avião...
U ma vez do espaço caindo seqüelas ficam então!
A ndando no próprio espaço e visitando o alheio
N avegarás na graça, harmonia no coração...
D ando honra a quem é devida, alegria todos os dias,
O bterás amizades sem ser chamada atenção!

C ostumo pisar bem de leve em terreno que visito,
O lhando, observando, por não querer ouvir grito,
M ania da maioria é não ligar pra limites, querendo sábio ser...
E u sei não ser sábio o que a isso acata... Às vezes a letra mata!
Ç edilhando mais uma vez a letra do coração...
A mo a todos vocês, quem pode dizer que não?

O dever de todos nós é livrar do erro atroz, abrir do cego a visão,

M as, cuidando do que é seu, zelando pelo que Deus deu,
E assim, você entenderá com brevidade...
U ma vez fora do ninho cuida o passarinho em gozar longevidade.

Esther “Rogessi”.Acróstico:O Teu Espaço Termina Quando começa o Meu.Categoria:Poética.Luso - Poemas. Publicado no Mural dos Escritores: 17/06/09.
http://muraldosescritores.ning.com/profile/Esther
Copyright.
 
O Teu Espaço Termina Quando Começa o Meu

TESOURO INCOMPARÁVEL!

 
Recolho-me à solidão...
Momento d’encontro com o meu eu
... esvazio-me de tudo, para sentir-Te meu!
Ó cândida doçura invade minh’alma.. e, eu,
assim..calma, deleito-me em tua presença.
Sinto-me pequena..menina, envolta por Ti!
Qual pérola..encoberta dentro da ostra
...protegida pela concha.. Assim sou eu!
Qual criança, mão pequenina,
segura pelo pai, em confiança...
Que lhe parece um gigante..em força, em poder
...Assim, sou eu!
Qual namorada, levada por caminhos difíceis
Que contigo se tornam maravilhosos
...Assim sou eu!
Calo-me, falas-me..manso e verdadeiro!
Ouço-Te..e, segundo o Teu querer
...Enfrento o mundo inteiro...
E, contigo venço!
Quantos não entendem..esse laço bendito?
Quantos querem entre nós se interpor...
Meu amado, amante de minh’alma,
Tesouro incomparável, que me dá o real valor!
Amo-Te...amas-me!
Pequenina sou!

EstherRogessi.Tesouro Incomparável.01/08/10

This" rel="nofollow">http://i.creativecommons.org/l/by-nc- ...
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative" rel="nofollow">http://creativecommons.org/licenses/b ... 2.5/br/">Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License*/
 
TESOURO INCOMPARÁVEL!

A VIDA SURPREENDEU A SARAMAGO

 
 Por: EstherRogessi

     
 
      Naquela manhã  assistia a um programa,  na TV.  A apresentadora conversava,  animadamente,  com o jornalista convidado. Em pauta: Experiências jornalísticas, e dentre elas à reprise de uma entrevista, com o excelente escritor português, nascido em Azinhaga do Ribatejo: José Saramago.  
          Ouvi as palavras de Saramago, atentamente... Em certo momento, perguntou ao jornalista: –  “O que posso esperar da vida aos 63 anos”? Essa indagação mexeu comigo. Senti a minha alma ferver, como que um efervescente, num copo d’água. Naquele momento interpretei, às palavras de Saramago, como que apáticas... Pareceu-me, próprias de quem desistiu de lutar, perseverar... Inquietei-me!  Pensei: Se alguma pessoa, depressiva ouvir isso... Não vai ser nada bom! Certamente, pensará: Se José Saramago perguntou o que esperar da vida aos 63 anos de idade...  Que direi eu? 
          No dia seguinte, a indagação do escritor ao jornalista, ainda me inquietava.  Busquei entendê-lo... Procurei  informações, sobre o mesmo. Li, atentamente, a sua biografia. O escritor nasceu no ano de 1922 e faleceu em 2010, aos 88 anos de idade.  Aos 63 anos, não tinha conhecido o grande amor de sua vida: Pilar. Casou-se três anos, após dar essa entrevista, em 1988.
          Embora, tivesse se dedicado à Literatura, só em 1998, alcançou o real reconhecimento literário, quando, enfim,  ganhou o Prêmio Nobel de Literatura. 
          O escritor errou na visão, ao pensar que a vida nada mais teria para lhe oferecer. Sequer imaginou que começaria a viver, após os seus 63 anos de idade, logo após a sua entrevista,  tudo começou a fluir em sua vida...
          Diante, de tudo isso... Sou recém-nascida! 
 
A VIDA SURPREENDEU A SARAMAGO

A NOIVA

 
A NOIVA
 
Olhei-te...
Lindo e envolvente.
Desejei-te intensamente, não o desejo que arde, alucina... Um desejo calmo, consciente de querer-te sempre!
De contigo viver todos os segundos, minutos e horas de minha vida..!
A tua presença - alegria para meus olhos e bálsamo para minh’alma.
Idealizei contigo um lar, filhos e bichinhos de estimação; férias - velejar no verão; gritos e risos das nossas crianças.
Fazia-me bem abraçar-te e calada ficar, bebendo da felicidade silente; sentir-te..cheirar tua pele, medir-te palmo a palmo.
Naquela noite, nossa última noite juntos, estávamos tão felizes... amamo-nos incansavelmente e pela manhã partiste, prometendo-me breve regresso.
Eu não sabia o porquê da dor infinda em ver-te partir..resolvi levar-te ao aeroporto; contemplei o avião que te levou de mim..,até tornar-se ínfimo..sumir!
Aquele voo que jamais pousou!
Dez anos se passaram... e, hoje, aqui estou.
Vestida de noiva, bouquet nas mãos; o som nupcial invade o salão.
No altar à minha espera - mão estendida, sorriso largo..feliz, estás!
Vestida de noiva.. estou!
Núpcias eternas contigo contraí!

EstherRogessi 25/04/11
 
A NOIVA

CRISTAIS AMARGOS

 
CRISTAIS AMARGOS

Na calada da noite...
Na brisa mansa que me acaricia
És presença viva, nostalgia.
Ouço o vento seu assovio
Triste lamento, sussurros d’alma
... buscando alento.
Saudade dói, cristais amargos,
Tristes ais no peito trago.
Alma dorida, ferida aberta,
o tempo cura... Disso estou certa!

Loucura é seguir amando...
Coração sangrando,
Martiriza-me esse flame sentir.
O maior inimigo meu...
Fez morada em meu peito
bate-me, surra-me de jeito...
Luta incessante, dorida!
O que alegra-me a vida...
É o mesmo que me mata!



Recife, Poema Cristais Amargos
30/07/10.
 
CRISTAIS AMARGOS

SOBRE COMENTÁRIOS

 
Comentar é uma arte, como tal, requer cuidados. Poucos sabem valorizá-la, usufruir dessa oportunidade. Através de um comentário conciso e inteligente, surgem oportunidades de se adquirir e repassar conhecimento. Não a desperdicemos, com apenas, postagens de GIFs e similares... Dediquemo-nos a desenvolver os textos e contextos que, nos são apresentados, valorizando-os – é ótimo exercício -, chamemos a isso: investir, jamais perder tempo. Incentivo ao leitor, a desenvolver o seu senso de argumentação, de crítica; convido-o a interagir com o autor. Quando isso acontece, os dois lados tendem a lucrar. É assim na vida, através do diálogo, gostaria que o mesmo acontecesse, quanto aos leitores.
Diz-se muito com poucas palavras - é verdade - e, até sem nenhuma delas – concordo -, usando GIFs e/ou imagens.
Muitas vezes o leitor teme interagir com o autor, isso não deveria acontecer. O conhecimento está ao alcance de quem sente a necessidade de obtê-lo; no conforto do lar. A Internet é uma faculdade, vale a pena pesquisar. Desconhecendo-se um vocábulo, sugiro não deixar para trás; apressemo-nos em conhecê-lo e, colocá-lo em prática, para não esquecer.
Devemos, antes de todos, a nós mesmos a instrução; para que possamos repassá-la aos leitores. Presente por nosso esforço em proporcionar-lhes o nosso melhor.

EstherRogessi,Recife,25/09/2012

http://www.esther.recantodasletras.com.br/audio.php?cod=50742
 
SOBRE COMENTÁRIOS

ESPERANÇA

 
“Observei a linda rosa, única no emaranhado dos seus espinhos... A aparente visão de morte ganhou vida e beleza, para mim... Esperança”!

EstherRogessi
 
ESPERANÇA

Pedras brutas

 
Palavras são pedras brutas a serem lapidadas... Requer-se tempo; é sabedoria falar pouco.

EstherRogessi,Recife,19/02/13.
http://www.recantodasletras.com.br/frases/4147904
 
Pedras brutas

PONTO DE VISTA

 
PONTO DE VISTA
Por EstherRogessi


As marcas da vida imbuídas no seu âmago ensinaram-na a ser agradecida... 1º, 2º, 3º lugar, pouco importa... Bom mesmo é ser grata, sempre grata.
Há quem menospreze pequenas honras e só se pronuncie com os primeiros lugares... “Quem não é fiel no pouco, jamais se contentará com o muito”... Honras são sempre honras.
Importa participar, fazer-se presente, ela estava! Quantos bons também estavam... Quantos não puderam está?
Nenhum deles é menor... É mera questão de visão, de escolhas... O tempo muda; o quadro muda; olhares mudam, opiniões idem!
Algo é imprescindível: o amor, saber reconhecer valores, ser perseverante e ter ciência de que, não há 1º sem 2º , 3º... E, infinitamente mais.
Quantas estrelas brilham no céu! Cada qual com o seu próprio brilho e valor; com as suas peculiaridades, porém, todas são estrelas que encantam e dão beleza!
Vale meditarmos no caso de Mário Quintana, quanto ao fato de ele ter-se candidatado, por três vezes, para ingressar na “Academia Brasileira de Letras”, imaginem... Não conseguiu!
“A estrela d’alva literária” não conseguiu o reconhecimento dos literatos ; Vênus não brilhou na Academia de Letras Brasileira... Questão de visão, ou da falta dela?
Resta-nos saber: em maior número estão os que têm olhos e veem... Em contrapartida, Mário Quintana eternizou-se na Academia Brasileira da vida!
 
PONTO DE VISTA

Noite

 
Negritude...
Perigo à solta...
Claro de lua.

Esther"Rogessi".Poetrix:Noite.Categoria: Poética.

This" rel="nofollow">http://i.creativecommons.org/l/by-nc- ...
This obra by Attribute work to name is licensed under a Creative" rel="nofollow">http://creativecommons.org/licenses/b ... 2.5/br/">Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License
 
Noite

HÁ IMAGENS QUE FALAM MAIS QUE MIL PALAVRAS.

 
O QUE TE FALTA PARA SER FELIZ!?

O QUE TE FALTA PARA AGRADECER A CADA DIA?

SE A CADA DIA BASTA O SEU MAL?

EstherRogessi, Escritora UBE Mat.3963.28/04/10
 
HÁ IMAGENS QUE FALAM MAIS QUE MIL PALAVRAS.

ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?

 
ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?
 
ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?

No museu, o nu está exposto...
Genitais a mostra... Ninguém vira o rosto,
Crianças pasmam, passam, param:
É arte... Mal algum há, podem olhar!

Pedra, madeira, argila... E outros mais,
Semelhantes aos vivos, quase iguais.
O modelo vivo, obsceno, e imoral, o escultor...
... Com olhos puros em arte transformou!

Onde ou o que faz a diferença?
No pensamento, no abstrato?
Na nudez da musa, ou em quem vê o retrato?

Na matéria prima, em quem então?
O que preenche... o coração?
Pureza, singeleza ou devassidão?

Esther

Esther,"Rogessi",SONETO: ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?, Luso-Poemas,www.Esther.luso-[b]poemas[/b].27/02/09. Publicado no Recanto das Letras em 26/02/09. Código do texto:T1459352
 
ONDE ESTÁ A DIFERENÇA?

Quando descobri o que sou para Deus a opinião da oposição, a meu respeito perdeu o efeito; quando me conscientizei do que Deus é para mim dispensei intermediários.

http://www.facebook.com/impfavpe

http://revistaarchivosdelsur.blogspot.com...