https://www.poetris.com/
William Shakespeare : De almas sinceras a união sincera
em 11/06/2012 18:28:38 (10023 leituras)
William Shakespeare

Soneto 96


De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça. Amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
È astro que norteia a vela errante
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfanje não poupe nenhuma idade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma, para a eternidade.
Se isto é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Links patrocinados

Visite também...

  • [1444] Olavo Bilac - Mater -
  • [3610] Cecília Meireles - Motivo -
  • [8911] Carlos Drummond de Andrade - Memória -
  • [1749] Vinícius de Moraes - Oxford -
  • [2885] Cecília Meireles - Primavera -