Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

154 visitantes online (73 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 5
Leitores: 149

imelo10, Manufernandes, Keithrichards, Correa, shallow, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Crónicas : 

DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS

 
"Quando se pergunta a um autor
o que ele quis dizer, um dos dois
é burro."
(Mario Quintana)

Não há nada mais pretensioso e sem sal do que interpretar um poema. Acho uma invasão ao universo do poeta. Uma tremenda falta de educação. Ora, um poema é bom ou é ruim - mais nada. Assim como a pintura, a poesia, dita a mãe das artes, é a única forma de expressão que não tolera desaforo. E isto basta.
Quando alguém, ao ler um poema meu, ousa comentar que eu quis dizer isso ou aquilo, posso até concorar, por educação. Mas por dentro me rio todo. Porque, na maioria das vezes, não quis dizer absolutamente nada. Apenas gostei dos versos ou de uma imagem que me veio - e escrevi, sem me importar com o seu conteúdo. Posso escrever um poema tristíssimo estando alegre.
Claro, em alguns poemas o sentimento está expresso nitidamente. Não é preciso interpretá-lo. Está dito. E pronto.
De minha parte, dispenso as análises acadêmicas - são chatíssimas e presunçosas. Pior ainda são aqueles que comentam por metáforas, achando genial o besteirol que acabaram de dizer ou escrever. O tal papo-cabeça. Que saco!
Vou lembrar aqui um episódio ocorrido com Carlos Drummond de Andrade, que o próprio fez questão de levar aos leitores do extinto Jornal do Brasil, do Rio Janeiro, onde mantinha uma coluna.
Alunos do curso de Letras da PUC-RJ acharam por bem enviar ao poeta um estudo sobre alguns de seus poemas. Dissecaram os versos de Drummond como um legista disseca um cadáver. Enviaram a ele um ensaio cheio de figuras de linguagem. Inavdiram o universo do autor de E Agora, José?
Drummond conta que ao acordar pela manhã levou um susto imenso. Hipérboles. Anacolutos. Metonímias. E uma pá de baboseiras mais.
"Senti-me o pior dos monstros" - escreveu o poeta, em sua crônica. "Meus pobres poeminhas. Nunca pensei em nada dessas coisas que escreveram sobre eles. Apenas achei as imagens bonitas e quis escrevê-las."
Acho que me fiz compreender. Drummond quando escreveu "no meio do caminho tinha pedra", contrariando, propositalmente, a forma dita culta, que pediria havia uma pedra, quis apenas dizer que tinha uma pedra no meio do caminho. Mais nada. Mas críticos e "comentadores" - principalmente os de sites, cujo comenhecimento de teoria literária é pra lá de precário - adoram buscar chifres em cabeça de cavalo. Como papel e tela de computador aceitam tudo, paciência.
Também não creio em inspiração. Não vou ao extremo de João Cabral de Melo Neto, que separava a poesia da emoção. João Cabral, poeta estupendo, era um neurótico inconteste. A emoção é importante, sim. Mas bem dosada, como açúcar. Em excesso, há o risco do poema sair enjoativo. Mas tenho restrições àqueles que dizem escrever o que sentem. Quem só escreve o que sente, eu sinto muito. Poesia não é divã de analista. Como disse Mallarmé, "um poema se faz com ideias, não com sentimentos." Mas dizer aqui, neste espaço, é malhar em ferro frio. Então agradeço aos beijinhos que me enviam. E sigo em frente.

________________

júlio



Júlio Saraiva

Autor
Julio Saraiva
Autor
Textos deste autorMais textos
Rss do autorRss do autor
EstatísticasEstatísticas
 
Texto
Data
Leituras 2844
Favoritos 0
Licença Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
Enviar este texto a um amigoEnviar
Imprimir este textoImprimir
Salvar este texto como PDFCriar um pdf
Partilhar
0
0
0
Recentes
3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA
DESTA COISA
POEMA DE DOR OU QUASE UM CONTO DE MORTE
DOS POEMAS DE AMOR
AUTO-ESTIMA
Aleatórios
CANÇÃO PARA UMA AUSENTE
Dois Noturnos
SEGUNDO CANTO FÚNEBRE E INÚTIL PARA O HAITI (O RESCALDO, AGORA)
DIDÁTICO
O PRÊMIO CAMÕES É DO BRASILEIRO FERREIRA GULLAR
Favoritos
melancolia regada a fumo - Amora
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tânia Mara Camargo
Publicado: 14/12/2010 20:08  Atualizado: 14/12/2010 20:08
Colaborador
Usuário desde: 11/09/2007
Localidade:
Mensagens: 4262
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Pois amigo Júlio jamais espere de mim
um comentário acadêmico. Sou do tipo que
lê e por vezes identifico-me com os versos,
ou leio e aprecio demais. Há poemas que
leio e sinceramente gostaria de ter tamanha
inspiração e categoria para escrever. Como
sou "pequena" acabo me conformando com minhas
pobres letras. bjs
e avante a poetar!
bjs

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 14/12/2010 20:11  Atualizado: 14/12/2010 20:11
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/Tânia Mara Camargo
pois, tânia, foi isso mesmo que eu quis dizer: ou você gosta ou não; ou você se identifica ou não. quando você olha uma tela, gosta ou não, sem se preocupar com o que o pintor fez ou deixou de fazer ao pintá-la. assim é a poesia.

beijão,

j.

Enviado por Tópico
PROTEUS
Publicado: 14/12/2010 20:41  Atualizado: 14/12/2010 20:41
Colaborador
Usuário desde: 27/03/2010
Localidade:
Mensagens: 2244
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Concordo!
Não desejo interpretar ninguém.
Não quero ser interpretado por ninguém...
Entendam o foi dito.
Sintam o que foi dito.
Ou não.

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 15/12/2010 12:23  Atualizado: 15/12/2010 12:23
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/PROTEUS
meu amigo, pois não é isso? acho uma tremenda pretensão querer dissecar o que um poeta quis dizer. complicam o poema. acho o seguinte: um poema a gente gosta ou não gosta. o resto é conversa pra boi dormir. acontece que aqui, por exemplo, ninguém é sincero. há um compadrismo do diabo. eu o comento, você me comenta. não importa o conteúdo do poema. em sites como este aqui funciona a política escrota do é-dando-que-se-recebe.

abraços e obrigado pela leitura.

j.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/12/2010 20:54  Atualizado: 14/12/2010 20:57
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
sabes as vezes um poema sem palavra mais cara diz tudo e as vezes um bem elaborado nada diz gostei deste texto muito verdadeiro
abraços

Se bem que discordo com o que disseste em relação ao perguntar esta palavra ou outra pois so assim se podera perceber o poema e o seu autor,abraços

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 15/12/2010 12:24  Atualizado: 15/12/2010 12:24
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS neve_campel
poesia, meu amigo, não tem meio termo. ou é boa ou é ruim. e deve, sim, ser elaborada. com suor. poesia não é auto-ajuda.

abraço,

j.

Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 14/12/2010 21:04  Atualizado: 14/12/2010 21:04
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
...pois, caro Júlio, basta o som e o sentido, como dizia o Valéry. bom trazer o assunto à colação... e um abraço, já agora!

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 15/12/2010 12:29  Atualizado: 15/12/2010 12:29
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/arfemo
meu querido amigo e poeta arlindo,

sei que não é um texto simpático para ser postado aqui, onde a ingenuidade a falta de conhecimento e o amadorismo são maioria. prefiro ser visto como arrogante - não acho que sou - do que como hipócrita. poesia é coisa séria. talvez, por isso, meu irmão muita gente boa que por aqui havia achou de sumir. poucos ficaram no barco, você bem sabe. os que chegaram agora, com pouquíssimas exceções, são péssimos. pelo bem da escrita, não deviam escrever nem cartão de natal. mas enfim, o espaço é democrático. continuo a bater na tecla: poesia não tem meio termo: ou é boa ou é ruim.

forte abraço. você é dos que ainda resistem.

j.

Enviado por Tópico
Karla Bardanza
Publicado: 15/12/2010 00:03  Atualizado: 15/12/2010 00:03
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2007
Localidade:
Mensagens: 3473
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Sabe, Ju

Você é fantástico, Leão!!!

Ka

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 15/12/2010 12:31  Atualizado: 15/12/2010 12:31
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/a minha karla
fantástica é uma mulher que de repente entrou no meu caminho. ela se chama karla.

te amo,

ju

Enviado por Tópico
DomingosdaMota
Publicado: 15/12/2010 17:55  Atualizado: 15/12/2010 18:35
Colaborador
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade:
Mensagens: 673
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
A propósito da interpretação do poema, e como também me sinto incapaz de o colocar na mesa da autópsia, é que em tempos publiquei neste espaço como "fogomaduro" o Destarte Poética - uma abordagem irónica ao tema.

DM

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 15/12/2010 20:14  Atualizado: 15/12/2010 20:14
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/Domingos da Mota
Da Mota,

eu fico louco quando, críticos profissionais ou comentaristas amadores, metem-se a querer achar o que um poeta quis dizer. eu, por exemplo, muitas vezes não quis dizer nada. apenas achei um verso bonito, uma imagem bonita e escrevi, como disse drummond. sempre repito: de um poema ou você gosta ou não gosta; ou ele é bom ou é ruim. na poesia, não há meio termo, não é?

abração,

j.

Enviado por Tópico
DomingosdaMota
Publicado: 16/12/2010 16:54  Atualizado: 16/12/2010 17:55
Colaborador
Usuário desde: 15/05/2010
Localidade:
Mensagens: 673
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/Domingos da Mota
Júlio,

Há críticos e críticos (pessoalmente não disponho de conhecimentos suficientes para me atrever a fazer crítica literária), mas conheço alguns críticos que conseguem iluminar o poema, abrir várias possibilidades de leitura muito enriquecedoras, e para só citar um, lembro o Prof. Óscar Lopes que vai muito para lá do "gosto" ou "não gosto".

DM

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 20/12/2010 23:07  Atualizado: 20/12/2010 23:07
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/Domingos da Mota
Amigo Domingos,

só agora me dei conta da sua sábia observação sobre críticos. eu mesmo durante alguns fiz crítica literária para jornais e revistas.na verdade, era mais uma crônica do que uma crítica no sentido correto da palavra. oscar lopes, porém, que, com antónio josé saraiva, escreveu uma história da literatura portuguesa, está para portugal no mesmo patamar que antônio cândido de mello e sousa está para o brasil. são conhecedores incostestes da matéria. veio também para o brasil, da áustria, o grande otto maria carpeaux, que escreveu em sete volumes - há quem garanta que foi de cabeça - a história da literatura ocidental. otto, além da literatura, dominava qualquer assunto com mestria. colegas jornalistas que trabalharam com ele contam que seu conhecimento era impressionante.

abraço,

j.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/12/2010 23:53  Atualizado: 20/12/2010 23:53
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Caro júlio,
gostei do teu texto com o qual me identifico, descontando a absolutização.
Há comentários que pretendem descobrir o que o poeta diz, mas só descobrem quem o comenta.
Mera projecção psicanalítica ou burrice mesmo, segundo o quintana.
Mas também acho que aqui o luso-divã também tem as suas virtudes terapêuticas e, nessa perspectiva, relevo.
abraço
nuno

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 21/12/2010 01:05  Atualizado: 21/12/2010 01:05
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/nvidal
não gosto quando as pessoas tentam adivinhar o que um poeta quis dizer. leiam, leiam e bebam o que eles. não gosto que invadam o mundo do poeta. achem belo ou não. mas tentem descobrir nada.

abração, amigo nuno.

j.

Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 21/12/2010 01:38  Atualizado: 21/12/2010 01:38
Muito Participativo
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 82
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Julio,

Nada como falar/comentar o que a leitura de um poema nos fez sentir, o que por si já é um bom sinal, quando o poema consegue causar diferença e reacção no leitor. Por outro lado tentar interpretar um poema é entrar no campo da adivinhação, da suposição, pois só o autor pode saber os significados, os sentimentos e os contextos que o levaram a escrever o poema.
Se o poema não causou nenhuma reacção no leitor, o melhor é não dizer nada.

Abraço

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 21/12/2010 01:44  Atualizado: 21/12/2010 01:44
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/silva.d.c.
nunca escrevi para provocar reação em ninguém. quando publico alguma coisa é porque gosto. escrever é um ato solitário. e se quis dizer alguma coisa ou não, é problema meu que não divido com ninguém. já escrevi poemas tristíssimos, morrendo de rir. preocupo-me com o belo, não com o seu significado. o que acham, pouco me importa.

abraços e obrigado pelo comentário.

j.

Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 21/12/2010 01:57  Atualizado: 21/12/2010 01:57
Muito Participativo
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 82
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/silva.d.c.
Claro que sim Julio. O meu comentário foi na óptica do leitor. Para mim enquanto leitor, é bom quando uma leitura consegue causar uma reacção, dando assim por bem empregue o tempo dispendido. Nada sei das motivações do autor, nem tão pouco procuro saber.

abraço

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 21/12/2010 02:00  Atualizado: 21/12/2010 02:00
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS p/silva.d.c.
pois é, eu também não procuro saber. sabe, meu amigo, eu já li tanta bobagem, que prefiro ignorar. por isso que me bato na questão dos comentários.aqui funciona assim, você me comenta e eu te comento.acho isso ridículo. nem à crítica séria dos meus livros eu ligo mais.

j.

Enviado por Tópico
Antónia Ruivo
Publicado: 21/12/2010 02:18  Atualizado: 21/12/2010 02:18
Colaborador
Usuário desde: 08/12/2008
Localidade: Vila Viçosa
Mensagens: 3906
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMAS
Essa é outra que eu acho ridícula tentar desvendar o que vai na alma do poeta, eu escrevo pedras e falo de pessoas, escrevo rosas e falo de bichos, do vento e sou eu tanta vez esse vento, ou o outro, ou até mesmo nada apenas pensei na palavra e saiu aquilo, como tu dizes falo de morte rindo e de vida chorando, ou melhor, nos dias que estou mais feliz é quando consigo escrever com mais dor, agora tentem entender se nem mesmo eu entendo por vezes,

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 21/12/2010 02:23  Atualizado: 21/12/2010 02:23
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: DA INTERPRETAÇÃO DE POEMASp/a poeta antónia ruivo, alentejana
minha boa amiga,

sobre isto, no meu texto,coloquei a opinião de drummond, publicada no Jornal do Brasil. diz tudo. eu nem ligo. não dou a menor importância. já disse que escrevi poemas tristíssimos rindo muito. eu me preocupo com o que acho belo. e muitas vezes só acho belo, sem querer dizer o que acham que eu quis dizer.às vezes até édivertido.

meu beijo fraterno,

j.

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...