https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA

 
1.

eu fabricava sonhos
desde pequeno eu fabricava sonhos
cresci e continuei a fabricar sonhos
um dia - por não saber nadar - morri
afogado nos meus sonhos
desde então nunca fabriquei sonhos
tornei-me um pesadelo à deriva

2.

a noiva que habitava os meus sonhos
hoje é uma sombra condenada a mofar
na solidão de um porto estrangeiro

3.

teu beijo de areia
ficou arquivado
na memória do porto

____________
júlio


Júlio Saraiva

 
Autor
Julio Saraiva
 
Texto
Data
Leituras
4104
Favoritos
5
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
57 pontos
7
5
5
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/11/2011 21:46  Atualizado: 16/11/2011 21:46
 Re: 3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA - p/ mano Júlio Saraiva
falaí, julião! tudo em riba? espero que sim, cara.

gostei dos três, mas o "3" é do balacobaco no que tange à profundidade que me "alçou". vi um júlio jovial nesta passagem em que se faz retratar
em suas próprias dúvidas e certezas, etc. e ponto.

valeu a leitura. até mais.


Enviado por Tópico
Conceição Bernardino
Publicado: 16/11/2011 21:56  Atualizado: 16/11/2011 21:56
Colaborador
Usuário desde: 22/08/2009
Localidade: Porto
Mensagens: 3332
 Re: 3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA
olá mano,

dizer que a tua poesia é de um mestre é pouco, és um dos melhores poetas que por aqui andam.

beijo
c.


Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 08/07/2016 09:22  Atualizado: 08/07/2016 09:22
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: 3 POEMAS SOBRE O MESMO TEMA
Três poemas com sabor a mar e a ausência. Todos os três concebidos com um fluir admirável tão natural como as vagas.

1.
Não é fácil criar uma história num poema sem que este naufrague na trivialidade. Este teu vai à infância e navega sobre ela sem que de nenhum modo nos faça sentir que saímos da poesia para passar para uma descrição prosaica, como tantas outras. Aqui sentimos que o poema vive com a respiração desta infância, destes “sonhos fabricados”, deste afundar dos sonhos (quando se confronta com a realidade?); e, como o sonho tem sabor a mar, não sabendo nadar, o "pequeno"
a
f
u
n
d
a
-se…
E o que sobra depois de um sonho naufragado? Um “pesadelo à deriva” (soberbo como o afundar do sonho traz um movimento de elevação - o do pesadelo, como se estivéssemos perante os pratos de uma balança - quando um sobe, o outro desce… Adorei este contraste de movimentos!)

2.
A “noiva” dos sonhos desaparece quando os sonhos desaparecem. Ficando a morfar “na solidão de um porto estrangeiro”, já que findou o porto que a fabricava ao sabor das ondas e das marés.

3.
Até um “beijo de areia” (expressão à partida de algo efémero) se “arquiva”. Onde? “na memória do porto”. De qual porto? Do primeiro, decerto, porque vem do sonho e o segundo porto, o estrangeiro, pertence aos pesadelos.

Um poema que fascina pelas suas imagens tão vívidas e ténues em simultâneo. Admirável.

Enviado por Tópico
Jorge/Joel
Publicado: 30/06/2020 12:18  Atualizado: 30/06/2020 12:22
Subscritor
Usuário desde: 02/06/2020
Localidade:
Mensagens: 191
 O POETA JÚLIO SARAIVA E O "RÉQUIEM" PARA UM BAR







(Em homenagem ao escritor e poeta Júlio Saraiva)








Outro dia escrevendo aqui sobre o Marcelo Mirisola me toquei de que tenho muito poucos amigos escritores. E os meus poucos amigos escritores não são lidos,o que é uma pena. Não por serem meus amigos mas acho que eles são melhores do que a maioria dos incensados por aí por uma mídia superficial que presta mais atenção nos confettis que a turba literária joga pra cima do que em real qualidade. Ou seja, muito confetti e pouca consistência. Fora a ausência total de críticos literários nesse país. Mas essa é outra prosa. Aborrecida inclusive. Ela foi apenas uma introdução para eu falar de um desses meus amigos talentosos e pouco lidos.

Julio Saraiva é o nome dele. Aliás a melhor definição para ele seria poeta e não escritor. Ainda mais se formos levar em conta que um poeta é um escritor da alma. Nela fundeia os seus achados e perdidos, nela busca e fuça o que deixamos escapar entre os dedos. Não vou ficar aqui desfilando as múltiplas qualidades do Júlio como poeta ou como escritor nem lembrar que ele foi um dos lendários repórteres do extinto jornal "Notícias Populares". Sou amigo dele desde 1980 quando nos conhecemos na redacção da Bloch Editores aqui em São Paulo , na luxuosa avenida Europa, onde trabalhávamos produzindo textos e reportagens para as inúmeras revistas do grupo como "Manchete" "Ele&Ela", "Pais e Filhos" e a "Boléia" uma revista dedicada a caminhoneiros onde eu trabalhava a maior parte do tempo.
Minha amizade com Julio e mais Walterson Sardenberg Sobrinho - sem falar no querido Marco Antônio Souto Maior, Silvio di Nardo, Celso Arnaldo Araújo e muitos outros - se solidificou por múltiplas cumplicidades sobretudo o gosto por poesia e literatura (e rock and roll no caso do Berg) e pela resistência a um jornalista pusilânime e venal que comandava aquela sucursal cujo nome não escrevo pra não poluir meu blog.
Naquela ocasião saltava aos olhos o talento poético do Julio e sua maneira derramada de enxergar a vida. Julio era e sempre foi um romântico, um estilhaço dos anos 50 e 60 , um homem que poderia ter saído de um livro do maravilhoso Marcos Rey , escritor que eu , ele e o Berg sempre estimamos. Julio hoje lamenta a degeneração dos bares e ruas de São Paulo pois os vê decaídos e tristes , inexistentes até, solapados por essa cultura consumista e automobilística que soterra as lembranças.
Mais não digo. Ontem eu ,Júlio , Berg, Souto Maior e muitos outros amigos mais fomos surpreendidos pela triste notícia de que o lendário Bar do Léo,que tantas vezes frequentamos, ( rua Aurora,100)estava vendendo chopp falso e comida podre. Superlativamente desolador para um bar que já foi tido como o melhor chopp do Brasil. Abalado como eu com a notícia o Julio Saraiva escreveu uma crônica exemplar que reproduzo abaixo. Para mim ela diz tudo. E se vocês gostaram imaginem o que estão perdendo ao não conhecer a poesia do Julinho.

Assassinaram o Bar do Léo, ali na rua Aurora, que um dia foi o coração da Boca do Lixo de São Paulo. Reduto de malandros como Joaquim Pereira Costa, o Quinzinho; Hiroíto de Moraes Joanides; Mauro da Silva, o Xodó. Todos eram monarcas de um mesmo reino. De vez em quando se desentendiam. Mas, no final, acabava tudo certo.

Eles não frequentavam o Bar do Léo, que, apesar da localização, sempre foi mais família. Havia até algumas regras impostas aos frequentadores. Casal se amassar, era proibido. Batucada na mesa, nem pensar. Pedir o chope, tirado em serpentina de louça, sem colarinho, uma heresia. Se qualquer uma dessas regras fosse quebrada, o freguês era convidado a sair, sem pagar a conta, com a recomendação de não voltar nunca mais.

Mas e daí que assassinaram o Bar do Léo? Na Boca do Lixo, que virou cracolândia, assassinaram tantos outros lugares. O Tabu, por exemplo. Era um restaurante imundo, frequentado por jornalistas, policiais, rufiões, prostitutas e de vez em quando até gente de bem.

Foi nessa mesma rua Aurora que Paulo Vanzolini compôs sua canção mais famosa, não a melhor, segundo o próprio, Ronda. O cenário é a avenida São João. Mas Vanzolini me contou que Ronda nasceu na rua Aurora, quando ele tinha 18 anos, servia o Exército e fazia patrulhamento na zona do baixo meretrício. Isto foi no início da década de 1950. E a primeira gravação de Ronda coube a Inezita Barroso. Ronda, hoje gravada até em japonês, foi apenas o lado B do 78 rotações de Inesita, onde pontificava a Marvada Pinga.

Na São João com a Ipiranga, também assassinaram o Bar do Jeca, frequentado por Mário de Andrade. E depois, bem depois, por dois baianos, então ilustres desconhecidos, que foram morar ali perto, na rua São Luís - Caetano Veloso e Gilberto Gil. O famoso cruzamento da São João com a Ipiranga inspiraria, décadas depois, Caetano Veloso a compor Sampa, um meio plágio de Ronda. Caetano disse ser uma homenagem, mas Vanzolini nunca engoliu.

O Paribar, perto da 7 de Abril, onde o escritor e crítico Sérgio Milliet, recebia os amigos, como se fosse uma espécie de escritório, também dançou. Por ali, também iam bebericar outros famosos, como o romancista e contista Marcos Rey, que se inspirou no estabecimento, que acolhia muitos publicitários, para escrever um dos seus mais belos contos, O Bar dos Cento e Tantos Dias.

Na 7 de Abril, reduto dos Diários Associados, tinha o Costa do Sol, outro finado. Para a minha sorte e de tantos outros colegas dos Diários, que esqueceram por lá seus penduras. Descanse em paz, velho Costa!

Acabou o Parreirinha, na General Jardim, ponto de Adoniran Barbosa, que tinha mesa cativa e almoçava, de graça, todos os dias. Na Ipiranga com a Consolação, teve fim o Redondo, quase em frente ao Teatro de Arena, frequentado por Gianfrancesco Guarnieri, Plínio Marcos - sempre fiel, embora não fosse de beber- e o pesquisador musical José Ramos Tinhorão.

Não vou falar no Riviera, na Consolação com a Paulista, porque nas vezes em que fui lá, só encontrei gente chata, a começar pelo dono. Então, volto ao Bar do Léo. E não vou dizer que lamento o seu fechamento, não. São Paulo é isso mesmo. Uma bosta de cidade, que adora assassinar sua história. De que adianta esbravejar?! Fecham o Léo, abrem um McDonald's. A gente passa e a vida continua.

Bem feito. No fundo, no fundo, eu acho bem feito. Bem feito pra São Paulo. Boemia acabou faz tempo. O que existe hoje é balada. E balada é aquele negócio horroroso, onde um bando de idiotas passa horas nas mesas, fazendo batucada, bebendo cerveja quente e não comendo ninguém.

Mais uma vez, bem feito pra São Paulo. Eu mesmo quase não saio mais de casa. Não vejo graça na noite. Não vejo graça em ninguém da noite. Sou coisa do passado. Minha barba está branca. E eu vou ficando por aqui. Mas bem que eu gostaria de descer agora, ir até ao Léo e tomar o último chope. Como se fosse um sacramento. Uma extrema-unção pra minha boemia agonizante. Tchau, Léo. Agradecido pelos porres. Pelo péssimo/excelente atendimento do Luís, o garçom mais malcriado de São Paulo. E por isso mesmo, o mais querido. Tchau, cacete! Chega!
______

Júlio S.




Open in new window






http://todoprosa.blogspot.com/2012/03 ... iva-e-requiem-para-o.html