Poemas, frases e mensagens de Lumarillac

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Lumarillac

Tenho um amor grandioso pelo meu filho Cassio Ricardo Bessa Luna Michel e pela minha mãe, Estelita e vivo em constante paixão pela arte da escrita...

SOSSEGO DO QUERER...

 
SOSSEGO DO QUERER...

Quero apenas sorriso que brilhe
Em face multifacetada dum olhar
Não há cárcere que permaneça
Traduzindo versos em pinheiros

Quero o riso de um grande amor
Me apeteça em noites tão vazias
Quero a Luz desabando em chuva
No profundo mistério dum molhar

Semeio ao vento tantas carícias
No eclipse do amor ganhei a flor
Amar confunde linhas dos mares
Há uma ausência de mim mesma

Picasso me vem à cabeça cores
No infinito suplanto os fascínios
Recito-te em beijos num só poema
Perfeição do verbo sentir amada...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
SOSSEGO DO QUERER...

"c’est l’unique question"

 
Ascendentes versos
Paridos num ventre
Ainda que masculino
Ampara aprendizado

Liberdade todo dia
Noite em só retiro
À tarde suave euforia
Daquilo tudo que primo

Extasiada toda alegria
Em surpresa de prazer
Vem tanta chuva e desfia
A vontade dum bem viver

Vaiada em plena rua
Vestida de várias pétalas
Estando assim toda nua
Desfazendo-se as máculas...
 
"c’est l’unique question"

PURA ONDA...

 
PURA ONDA...
Faminta boca que sucumbe
Ao beijo molhado escorrido
Do batom vencido em bocas
Riso amendoado que sopras

Nariz altivo e todo soberano
Conduz de volta à Londres
Já nomeada de princesa
A mais bela coroa que há

Jardins de Veneza trazes
Querendo os olhos verdes
Esfomeados de carinho
Herança toda espanhola

Nada morre nesta história
Acolhendo meus pomares
Enriquecerás teus jardins
Em alma toda circunscrita...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
PURA ONDA...

ODE ÀS FLORES...

 
ODE ÀS FLORES...

É na primavera que tudo acontece
As pétalas parecem doce veludo
Despertam as manhãs encantadas
Estampas de mares atormentados

Não há folha seca que caia no chão
Os jardins ganham cores vermelhas
Jardinerios regam tudo apaixonados
Na rama florida um bocado de amor

Tão belas e sensíveis logo morrem
Enquanto em vida, adornam a nós
Também a planta que não estampa
Sorriso de criança em cada esmola

Como ouro amarelo espalham-se
Em goles das suspeitas vaidades
Numa mistura de todos os aromas
Quero delas brilho cobrindo a pele...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
ODE ÀS FLORES...

MORADIA...

 
MORADIA...

Vou mudar para a floresta
Encantada com o matagal
Natureza haverá de me dar

Levarei minha alma distante
Do Natal dum consumismo
Fatal é toda esta sensação

Outra raça hei de conhecer
Os jornais não mais lerei
Quero o Sol esplendido sim

A Lua derradeira desta vida
A montanha bem estrondosa
Entrelaçando todos corações...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
MORADIA...

À NOSSA MANEIRA...

 
À NOSSA MANEIRA...

De todos os beijos que dei
Este teu é perpétuo em sois
Num minuto de puro êxtase
Subi asas que tão sonhadas

Esse amor que não definha
Síntese acerca do caminho
Trilhada boca toda carnuda
Deste beijo que muito provado

Não te beijar seria um não viver
Passar pela vida pano branco
Ouso-te contar destes desejos
Insanos e inteiros já se calam

Aceitar-te-ei como outras não
És o amante em pura eclipse
E em estado de tanta graça
Nossos espaços se abraçam

Devaneio em íntegro caminho
Beijo noturno outra não terá
Tua boca flameja minha língua
No verbo amar quero-te em mim...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
À NOSSA MANEIRA...

SUB-REPTICIO

 
SUB-REPÍTICIO...

Não havia um espaço tão delineado
Voo sonhador para não causar horror
Esturricada sensação receita queimada

O que existia era precisamente um quase nada
Embrulhado tijolo congelado e todo mal passado
Usuário do meu coração que já sem mais atenção

Espantosa desunião no horror da falta de precisão

Nunca houvera mistério do fogo mergulhado em união...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
SUB-REPTICIO

A ROSA LOUCA...

 
A ROSA LOUCA...

A rosa se achava a mais bela flor
Duma roseira linda numa fazenda
Das árvores todas esverdeadas
Aquietadas margaridas em gotas

Ostenta pétalas sob pessego macio
Tece ramalhetes aos loucos amantes
Viaja sobre poemas doce primavera
Adormece feito pingente em diamante

Tu és maravilha em quintais simples
Amanheces fresca cristais em mesas
E se dá toda na madrugada em lençóis
Tens o apogeu da Deusa toda Egipícia

A minha flor do mato nasce em terras
É frágil e nasce no meio dos matagais
Floresce sob declínio da bela natureza
E se dá ao amante como dama da noite...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
A ROSA LOUCA...

MEL DAS PÉTALAS

 
Verão pretensioso
Sou a Primavera
Não quero guerra
Apenas espero...

Ver as flores
Germinarem
Coloridas
E trocadas...

Iluminando
Tocas de
Corações
Trancados...

Flor pequenina
Arrasada sob
Sol quente
Padece...

Sabores
Tropicais
Adornados
Aromáticos...

As pétalas
Choram cá
Lágrimas
Incontidas

À sombra
De Teu
Reinado
Sem fim...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
MEL DAS PÉTALAS

A TI GRANDE POETA..

 
A TI GRANDE POETA...

Meu anoitecer será de quase nada
Me falta uma presença tão noturna
Vindo me pescar à dádiva escrita
Do pensamento da sensualidade

Megalomaníaco estar de sensação
Pousada em farta reunião de sóis
Sou impura por pudor que resta
Acostumada à palavra bem deitada

Teu silêncio me atina versos brancos
Da abundância apaixonada me trazes
Abastada beleza que esvazia traços
De índole vivida e despida de riqueza

Fazedor de meu novo riso inspirado
Tutela de coração quase apaixonado
Tragas cerejas e uvas e todas nozes
Que em vozes eu deliro de tanto prazer...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
A TI GRANDE POETA..

SOB PONTES SOU TUA...

 
 
SOB PONTES SOU TUA ...

Do traslado do teu sempre amor
Meu amante em fim tão presente
As chamas que todas tão acesas
Exalam perfume duma baunilha

Teu Rei Sol já invadiu a Deusa Lua
Num lapso que quase todo bondoso
Fez-se todo sendo só pequena parte
No verdor de toda a tua maturidade

Eu o clamo na potência tão grandiosa
Na luz constante que já em imploras
Rendida toda paixão em sã memórias
Não morrerei sem à praia para ver-te

Não te ofendas com meu alto gemido
Sou como ovelha desgarrada sofrendo
Vivendo pra um novo amor tão distante
Toma esta flor que o botão é todo teu...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
SOB PONTES SOU TUA...

SÓ UM ESPAÇO...

 
SÓ UM ESPAÇO...

Sem fardo
Embriagada
Exato sentir

Do elegante
Só existir
Sem persistir

Esta língua
Que vos escreve
Possui travas

Secretas
Indiscretas
Calam-se

Levantam-se
No efêmero
Partir

Razão
Do existir
Todo compacto

Amar-te assim
É de imediato
Golpe curado

É como tecer
Rede sem agulhas
Não falar-te

Do mistério
Que aumenta
Em tamanho

Incontido em falas
Permitido em regras
Onde há parentesco

Do que se acende
Em corações
Bentos de amor...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
SÓ UM ESPAÇO...

MADRESILVA

 
Madressilva

Da ferramenta favorita
Escavado diário da vida
Reeditando livro do amor
Descoberta imensurável

Camuflados medos e dores
Alegria inicia-se no choro
Do nato nascer em ausência
Aconchego do cobertor útero

Afinidade imediata do papel
Distribuído em fartos versos
Talhados como gesso ao teto
Colados n´alma do regresso

Cadeia do acaso se inicia
Pompéia sob jardins imensos
Atenas e Grécia tão atadas
Beleza em pergaminho dos céus...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
MADRESILVA

UMA MEDIDA...

 
UMA MEDIDA...

Se a dor leve ainda chegar
Ilumina teu olhar cansado
Tira vazio dos teus sonhos
E põe o teu corpo a bailar

Esmaecido caminhar fugidio
Silhueta vermelha tão exímia
Não deixas angústia te levar
Desmistifica toda a palavra

Do verbo amar deitas num sono
Sem vestígio e sem um itinerário
Redescobrir com esforço a vida
Latejante e com um passaporte

O poente será belo e edificante
Encantas o mundo em olhar verde
E num bom grado de informação
Atiras felicidade em seu coração ...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
UMA MEDIDA...

DA FELICIDADE...

 
DA FELICIDADE...

Se não és atingível
Utopia em vidas
Calada sou triste
Escrevendo sofro

Estou vazia de mim
Coberta de angústia
O olhar tão disperso
Perdi toda minha face

Se é da despedida
A desonra do sentir
Vá embora de mim
Que sofro de saudade

Do fruto que é rebento
Do canto tão mentiroso
Da bola de gude outrora
Do livro de versos perdido...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
DA FELICIDADE...

UM PASSEIO...

 
UM PASSEIO...

Hoje vou contemplar a natureza
Sob as belas ondas marítimas
Ter instantes de paz e harmonia
Pleno pensar duma coletividade

As flores todas estarão abertas
Esperando pela certeza d'água
São sentidas em tantas pétalas
Retiradas para o mal me quer

Vou esperar pelo novo inverno
Em primaveras vamos colorindo
Todo tempo é hora de apreciação
Galhos tempestuosos sob chuvas

Quero estar à sombra da árvore
Me deleitar do vermelho nítido
Em vestido que todo transparente
Deitarei nas matas já em cantigas....

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
UM PASSEIO...

ACROSTICO AO ESCRITOR JOSÉ ESTANISLAU FILHO

 
ACRÓSTICO AO ESCRITOR JOSÉ ESTANISLAU FILHO

J atos de silêncios maduros
O nde ficara tanto talento
S e em torrente de sabedoria
E le transmite paz e harmonia

E assim giram tantas atenções
S ob seus títulos poéticos
T ao somente o que se sente
A visa a alma de quem só cala
N ada lhe passa tão friamente
I nstante dourado ao seu lado
S úbita forma duma paisagem
L iteralmente apaixonado em arte
A chama acesa dum coração grandioso
U ma concessão de gratidão no olhar

F ácil gostar de jeito espirituoso
I nvade as vidas com uma literatura
L ida no entendimento de toda mente
H ino inspirador de canção amorosa
O seu múltiplo desejo de sempre estar...

Escritor é mineiro, de São João de Oriente e possui oito livros publicados, tendo um chamado "Palavras de Amor", "Crônicas do Cotidiano Popular" e outros que podem ser adquirido nas Livrarias Cultura, Nobel, Saraiva, Submarino e na www.protexto.com.br
 
ACROSTICO AO ESCRITOR JOSÉ ESTANISLAU FILHO

HORAS DE TALVEZ...

 
HORAS DE TALVEZ...

Face toda corada em olhos
Repentinas cores que alucinam
Advindos triunfos noutras praças

Beleza oriental no mergulho fatal
Do momento que a nada pertence
Faz brotar um infinito e raro verão

Guardado todo vaso desta formosura

Secreta caixa tatuada no papel de amar...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel
 
HORAS DE TALVEZ...

dueto com Miguel Eduardo Gonçalves - ETERNO

 
Eternos

Ainda que sonhado / invento
O poeta tenta / memórias
Ainda que caído / pelos sentimentos
A poesia arrebenta / cor do mar
Ainda que vaidoso / mas críticos
Os versos humilham / como a paixão
O mais sábio dos diplomas / coisa do destino
E desfila soberano nos corredores / do sorriso
Desabrochando pétalas de mil cores... / da sorte que se lê nas mãos!

Luiza de Marillac Bessa Luna Michel / Miguel Eduardo Gonçalves
 
dueto com Miguel Eduardo Gonçalves - ETERNO

Ensaio sobre a mentira...

 
Mais vale o erro em que se crê do que a realidade em que não se crê; pois não é o erro, e sim a mentira, o que mata a alma" Unamuno (1864-1936)

Ensaio sobre a mentira...

Espécie que consiste em alegria
Brilhante que vem sem certificado
Consiste em euforia adulterada
Flores com espinhos entranhados

Ensejo de agrado de tão mero regredir
Frutuosas e mais audaciosas persistem
Vitimados pela porta da doce ilusão
Que morrera tanto por falta de ocasião

Esquecera de ocorrer nos entretantos
Requer boa memória a quem a desfere
Intuição e perspicácia em coração
Sintonizados numa enorme estação

Arranha e corrompe inquilino da verdade
Mestrado e doutorado em tantas universidades
Argumentos ardilosos e sorriso de meia lua
Virtude daqueles que não falam com o coração

Tradicionalista e tanto quanto moralista
Sob inebriantes coquetéis de mentiras
Em ponches homéricos de vinhos baratos
Que de tão falados embriagam até o fato...

Luiza de Marillac Bessa Luna Michel
 
Ensaio sobre a mentira...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel