Poemas, frases e mensagens de ricardo_freitas

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de ricardo_freitas

É triste caminhar

 
É triste caminhar,
Sem sentir o calor de quem ama,
Sem reflectir a felicidade num sorriso de esperança.
Olhas em teu redor procurando essa miragem desaparecida,
Buscando a alma que vagueia tentando encontrar o teu eu,
Desesperando com o passar do tempo,
Sem ver o chegar daquela luz,
Que deveria iluminar-te Pelo túnel da solidão,
Afogando os sentidos numa agonia insuportável
Chorando, chorando de tristeza,
Chorando porque é humano chorar,
Chorando para que grite a alma calada...
Pela solidão.

Ricardo Freitas.
 
É triste caminhar

o meu mundo

 
Tenho um punhado de nada,
Uma estrela que sucumbe perante o céu nublado
Uma paz inquietante, um sonho distante,
Desta realidade depravada.
No entanto, sigo estrada fora,
Regalando sorrisos oferecendo afetos,
Que em mim se perdem e se encontram no mais proibido dos sonhos.
E sonho, sonho porque é imune de pecado este sonhar,
Este mundo de caminhos secretos, que se misturam no meu olhar,
Esta harmonia incandescente, de sentimentos emoções
Que absorvem cada ponto do meu corpo,
De prazerosas sensações
E ardem na minha alma complacente
Deixando me absorto nos meus pensamentos,
Perdido num mundo só meu, despido de preconceitos
E do medo que em mim se perdeu.

Ricardo Freitas
 
o meu mundo

Quero

 
Quero descobrir palavras, elaborar sentimentos,
caminhar sobre as nuvens com leveza de uma pena,
subir ao universo e beijar as estrelas,
quero caminhar sobre elas, levado pela brisa suave e serena.
Quero descobrir o que não foi descoberto,
tocar a mais linda melodia,
e viajar pelo tempo incerto,
quero sentir o que nunca foi sentido,
esquecer o tempo perdido, e sonhar como nunca sonhei,
quero correr mundo e amar como nunca amei.
Quero correr pelos verdes campos,
subir a mais alta das montanhas,
quero que a beleza deste planeta me rasgue as entranhas.
quero andar sobre as águas do mar,
emergir das suas profundezas,
e como um rio serpentear,
a vida e as suas rudezas.

Ricardo Freitas
 
Quero

coracão perdido

 
Coração perdido,
Entre as estradas infindas,
Coração partido,
De mágoas sentidas.
A alma que chora,
Tristezas e feridas,
A solidão que implora,
Alegrias vividas.
Tristes são os dias,
As tardes e as noites,
As eternas melancolias,
Mais duras que mil açoites.
E caminho perdido,
Por este amor ingrato,
Caminho sentido,
E de viver já farto.
Esta agonia,
Este mal-estar,
Esta noite e dia,
Que não deixa sonhar.

Ricardo Freitas.
 
coracão perdido

Que te importa

 
Que sabes tu de mim pobre pagão?
Da minha vida, das minhas raízes,
dos meus sonhos ou das palavras proferidas em vão.
Que te importa se me arrasto por entre as nuvens,
de sonhos inalcançáveis?
Ou se levo no coração mil bagagens,
de problemas existenciais.
Que conheces tu dos meus princípios?
dos valores com os quais rejo a minha vida,
tu que pertences ao grupo de felídeos ,
que atacam a alma mais enfraquecida.
Que sabes tu dos medos ou da minha coragem?
Dos caminhos que percorro, ou da minha imagem,
Que te importa se mil vezes eu cair?
Ou se algum dia me levantarei,
Vive, e deixa quem quer viver,
não te importes com a vida que levarei.

Ricardo Freitas
 
Que te importa

sonho

 
Sonho com a felicidade,
A cada dia a cada hora,
Em cada momento de saudade,
A cada espera, a cada demora.
Sonho dormido,
No sono pela noite silenciado,
Sonho, quando perdido,
Busco o caminho mais demorado.
Sonho nesta estrada, que é a vida,
Com destino não sei onde,
Sonho com a alma ferida,
Pelo passado que em mim se esconde.
Sonho com a ternura,
E o desejo por ela provocada,
Sonho com amargura,
O caminho da minha estrada
Ricardo Freitas
 
sonho

triste

 
Ó triste fogueira do meu pensamento,
que ardes de dor suplicando,
As magoas deste penoso tormento,
As lágrimas que os meus olhos vão derramando.
Coberto de dolorosos espinhos,
da sorte em mim perdida,
dos momentos tão sozinhos,
que sufoca a minha pobre vida,
num olhar de nuvens carregado,
num pensamento de imagens vazio,
buscando o tempo passado,
num labirinto tão frio,
onde os caminhos cerrados,
vão sempre ao mesmo lugar,
de punhais no peito cravados,
de escuridão sem luar

assinado: Ricardo Freitas.
 
triste

por ti

 
É por ti que hoje canto,
Sorrindo de felicidade,
Coberto por este doce manto,
De amor e cumplicidade,
Que nos une como o céu as estrelas,
Como a letra de uma musica ao som ritmado,
Ou um canteiro as flores tão belas,
Pelo orvalho regado.
Este amor mais forte que mil muralhas,
Mais sincero que a sinceridade,
Estas entranhas por amor rasgadas,
Para toda a uma eternidade.
É por ti que hoje suspiro,
Que a saudade em mim aperta,
És o ar que respiro,
A minha maior descoberta,
O meu sonho e orgulho,
O verso pela minha voz citado,
O mar em que mergulho,
Pelo teu amor sustentado,
De carícias e ternura,
De sonhos e sentimentos,
Dessa enorme formosura,
Que me enche de tormentos,
De medo de perder,
Esse rosto lindo,
Que me fez renascer.
Ricardo freitas
 
por ti

dedicado a minha princesa

 
Quão doces são essas letras,
Com que me emocionaste a alma,
Com sentimentos de linhas ilustras,
Com o sentir que o amor aclama.
Quão ternas e gloriosas,
Essas linhas pelas quais choro,
Mil lágrimas ardorosas,
Pelo teu eu, que tanto adoro.
São frases sentidas, frases de amor,
Iluminadas pelo teu coração,
Com afinidade e clamor.
Ai como me senti iluminado,
Com o meu ego engrandecido,
Dos homens o mais afortunado,
Por um dia te ter conhecido.
E nem as minhas escritas os meus versos,
Conseguiram tal feito igualar,
Essa grandeza maior que os universos,
Com que escreves-te por me amar.
Fizeste com que o meu peito,
Se manifesta-se intensamente,
Reclamando o direito,
De te amar para sempre.
Ricardo Freitas.
 
dedicado a minha princesa

ai se eu pode-se

 
Ai se eu pode-se,
Dava-te o mundo,
A mais brilhante estrela que houvesse,
No universo tão profundo,
Ai se eu pode-se,
Dava-te a lua e o mar,
O sol que aquece,
Esta vontade de te amar.
Mas te entrego o coração,
E com ele os meus sonhos,
Esta infinita paixão,
Que me cega os olhos.
Te entrego a mina alma,
E o brilho que em meu olhar,
Desperta e aclama,
A saudade de te amar.
Ricardo Freitas
 
ai se eu pode-se

o meu verso

 
Doce poesia da minha vida,
Verso do qual não me canso,
Mulher menina tão querida,
Rosto tão terno tão manso.
Estrela por mim venerada,
Num tumulto de emoções,
Fonte de agua sagrada,
Razão das minhas orações.
Luar que ilumina as minhas madrugadas,
Os meus uivos de paixão,
Caminho das minhas pegadas,
Que amo com todo o coração,
Manhã das minhas primaveras,
Flor que embeleza o meu jardim,
Lágrimas das minhas palavras sinceras,
Sentimento que levo dentro de mim.
Metade que completa o meu ser,
Clara o nome que incendeia,
A tocha do meu coração,
clara a luz que encandeia,
O meu sonho a minha ilusão.
Ricardo Freitas
 
o meu verso

fascínio

 
Fascinante sorriso, terno olhar
chuva cristalina que enaltece
A magia do seu ser, fascínio que petrifica a alma.
E adormece a dor na solidão do anoitecer.
Rasgas com fogo as entranhas do meu corpo,
Caminhas sobre as ondas do meu mar,
levantando da sepultura o desejo morto
e a insensatez embriagante de sonhar.
Sorriso doce e sublime, assombro extramundano
pedaço de mau caminho,mais imenso que um oceano.
Fascínio tormentoso arrepiante
formosura harmoniosa e divina,
deusa melodiosa provocante,
mulher, afável menina.

Ricardo Freitas
 
fascínio

Benditos sejam.

 
Benditas sejam as águas dos rios,
o sol-posto no oceano
benditas sejam as folhas que piso,
e o delírio insano.
Benditos os ventos, e a brisa do campo
benditos os momentos de riso e encanto.
Benditas as horas perdidas pela amizade,
os abraços os sorrisos e a saudade.
Benditas as tardes solheiras,
com os amigos passadas
as palavras matreiras,
as conversas ousadas.
Benditas sejam as melodias,
as fontes de inspiração,
benditas sejam as poesias,
que nos aquecem o coração.
Benditas as mulheres por mim veneradas,
benditos sejam os sonhos,
e as causas sagradas.

Ricardo Freitas.
 
Benditos sejam.

o meu sentimento

 
Triste sorte, que me acompanhas no dia a dia,
Onde os punhais da morte,
Ferem a ilusão de alegria,
Coração desonesto,
Que te cobres sombrio,
Deste sentimento funesto,
Sem luz e sem brio
Tuas lágrimas caladas,
Oceanos de tristeza,
Lágrimas salgadas,
Sem a doçura da beleza,
Fazeis em mim tamanho pranto,
de dor desilusão e desencanto.

Ricardo Freitas.
 
o meu sentimento

nao sei mais,,,

 
Não sou mais que o esboço
De uma tela pintada parada no tempo,
Ou o sonho encravado no horizonte,
Não sei quem sou neste mesmo momento
E já nem reconheço os caminhos daquela fonte,
Fonte de amor puro e cristalino
Que em minha alma em devaneio brotava,
Pautando as ruas do meu destino,
Os caminhos com que tanto sonhava.
Não sou mais que a árvore presa ao solo
Sem liberdade para sorrir e sonhar
Não sou mais que um pobre tolo.
Que vive na ilusão de amar.

Ricardo Freitas.
 
nao sei mais,,,

queria um sorriso

 
Queria um sorriso

Queria um sorriso eterno
Um sorriso só para mim,
Para que as noites de inverno
Fossem de ternura sem fim,
Queria um sorriso
Um ombro onde chorar
Que estivesse quando mais preciso
Que me pudesse, abençoar ,
Que sorri-se na tristeza
Quando eu fraquejar
Que fosse a minha fortaleza
O meu céu e o meu mar.
Queria um sorriso assim
Ternurento e inspirador
Que evidencia-se o melhor de mim
Que fosse o meu anjo condutor.

Ricardo Freitas
 
queria um sorriso

sonhei-te

 
Sonhei-te linda e serena,
sentada num verde prado,
rodeada de bem-me-queres e alfazema,
comigo ao teu lado,
e bem no alto o céu azulado,
servia de tecto ao nosso amor,
e as orquidías com tom envergonhado,
murmuravam do teu esplendor,
contavam as rosas da tua beleza,
do quanto é lindo o teu doce olhar,
comentavam com os cravos sobre a delicadeza,
desse teu rosto ímpar.
e tu no verde prado sentada,
com os teus lindos caracóis,
parecias numa cama deitada,
onde as flores te cobriam como lençóis,com caricias de ternura,
como se de um bebé se tratara,
eu bem alto gritava, amo-te meu amor,
amo-te clara.

amo-te mais que tudo nesta vida, admiro-te, e vivo por ti

Ricardo Freitas.
 
sonhei-te

ao escurecer

 
Escureceu o dia,
E com ele esta alma,
Chega noite triste e fria,
E o sono que me acalma.
Adormeço cansado,
De esperar já farto,
Recordando o sonho passado,
Nesta mente intacta.
Acordo assustado,
Olhando em meu redor,
Com o corpo suado,
Em busca de calor,
Em busca dos ombros
Que outrora me abraçavam,
Quando pesadelos e assombros,
Do sono me tiravam,
E já desperto, depois de tanto procurar,
Encontro a solidão,
Que me faz desesperar.
Volto ao sono,
Em procura de paz,
Adormecendo esta dor,
Esta mágoa que me desfaz
Ricardo Freitas.
 
ao escurecer

o formosa mulher da minha vida

 
Ó formosa mulher da minha vida,
Que resplandeces o amor sagrado,
Absorvendo-me serena e impávida,
Num templo por mim contemplado.
Num templo de rubras flores,
De versos e suaves melodias,
Num templo onde morro de amores,
E esqueço as minhas cobardias.
Num templo onde a minha alma te entrego,
Despido de medos ou temores,
Num templo onde o meu peito sossego,
Com teus beijos arrebatadores.
O formosa mulher da minha vida,
Que embelezas as manhas de primavera,
Pela tua forma tão querida,
Por quem o meu coração desespera.
Batendo num ritmo acentuado,
Impulsivo e tão ardente,
Por este amor em mim perpetuado,
Que te amara para todo sempre.
 
o formosa mulher da minha vida

...dor...

 
Deslumbramento saudade temor,
coisas que em vão sinto
coisas do peito, que sem jeito
sentenciam o tempo a meu desfavor;
que ardem em chama,
que queimam na alma,
perdida desvairada,
na imensa solidão calada,
pelo desnorte que se aglomera
nos pensamentos de descontentamento,
nas manhãs sem sol nem primavera
nas penosas noites de tormento,
nos passos em vão percorridos;
nos sonhos perdidos,
nesta vida que é sem o ser
neste mar de escuridão,
que vive sem viver.

Ricardo Freitas.
 
...dor...

amar não e só querer com a alma e o coração,
mas sim ser feliz,porque a outra metade também o é.Ricardo Freitas