Poemas -> Sombrios : 

Se adormeço

 
 
O meu Mundo acaba, quando surge o desalento
Os sonhos deixam de esvoaçar, mas os reenvento.
Cresce em mim uma dúvida e é tal a obscuridade!?
Que adormeço num sono de morte!
Aí imploro imortalidade.
Abandono-me neste sonho, caminhando sem norte.
Ao longe já as estrelas se apagaram.
Restam na minha alma rumores de vento
No seio do sonho, seres que me amaram
Tudo eu carrego para meu tormento.

Entro num rio de margens pouco seguras
Que me atraem na sua direcção
E lá volto às minhas loucuras
E a sofrer de novo, fica o coração.

Quando alguém me acorda para que regresse
Volto ao mundo real de onde minha vida depende.
Por ele passa o tempo a galope e me esquece.
E tampouco, nem ele, nem ninguém me entende.



rosafogo


Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira.
Johann Wolfgang Von Goethe



 
Autor
rosafogo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
560
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
salomé
Publicado: 29/09/2009 16:03  Atualizado: 29/09/2009 16:03
Da casa!
Usuário desde: 25/01/2008
Localidade:
Mensagens: 409
 Re: Se adormeço
Esse rio de margens pouco seguras,é um verdadeiro demónio que nos atenta muita vez.De volta e acordada deixo um cheirinho a quase magusto e uma gota d'um orvalho de Outono.Beijinhos Rosa.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/09/2009 16:10  Atualizado: 29/09/2009 16:10
 Re: Se adormeço
Olá,Rosa!

Adoro as tuas metáforas.Não deixes que as estrelas se apaguem.Acredita que somos muitos aqueles que te entendemos.
Beijo
Maria