https://www.poetris.com/
 
Textos : 

riscar o que não interessa

 
há uma voz arranhada
na vontade: docilidade
disfarçada ou fúria
aguardando vez.

(e a terra toda feita
para comer sem mapas
nem regras nem rotas)

lá fora: um papagaio
rasgando mares.


 
Autor
folhato
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1076
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/07/2010 21:52  Atualizado: 05/07/2010 21:52
 Re: riscar o que não interessa
Podes continuar a riscar que riscas bem e eu gosto
abraço
nuno

Enviado por Tópico
Alexis
Publicado: 05/07/2010 21:53  Atualizado: 05/07/2010 21:53
Colaborador
Usuário desde: 29/10/2008
Localidade: guimarães
Mensagens: 7254
 Re: riscar o que não interessa para folhato
o título é perfeito.e o resto interessa-me,por ser como a vida,interessante e muito variada.o poema revela um olhar atento e original.
melhor não riscar nada.

beijo

alex

Enviado por Tópico
AuroraRosado
Publicado: 05/07/2010 22:17  Atualizado: 05/07/2010 22:17
Colaborador
Usuário desde: 18/03/2010
Localidade:
Mensagens: 623
 Re: riscar o que não interessa
Gostei muito deste poema, pois é um desafio interpretativo. Li-o assim: mais cedo ou mais tarde, a vontade tem de escolher (logo, de riscar o que não interessa) e optar entre ficar presa a regras ocas (os mapas) ou voar livremente como um papagaio.

Muito bom, parabéns!

Bj

Enviado por Tópico
laroche_l
Publicado: 05/07/2010 23:50  Atualizado: 05/07/2010 23:51
Colaborador
Usuário desde: 26/02/2010
Localidade:
Mensagens: 706
 Re: riscar o que não interessa
Arrisco uma leitura, começando pelo fim :)

lá fora: um papagaio
rasgando mares.


Lá, fora de mim, quase liberto, um papagaio (de papel) voa mais alto e vê mais além sem medo (rasgando mares).
Os receios podem ser oceanos intransponiveis.


(e a terra toda feita
para comer sem mapas
nem regras nem rotas)

A terra, a vida, é para ser vivida.

há uma voz arranhada
na vontade: docilidade
disfarçada ou fúria
aguardando vez.

Há uma premencia de liberdade, uma vontade de sair voando, uma força que se acomula, alheia à pequenez dos mapas.

Gosto dos poemas que me fazem pensar.

Enviado por Tópico
babel
Publicado: 06/07/2010 22:11  Atualizado: 06/07/2010 22:11
Muito Participativo
Usuário desde: 26/11/2009
Localidade:
Mensagens: 77
 Re: riscar o que não interessa
Este poema é língua, sobretudo língua. Língua e boca. Engraçado como as palavras se enrolam.