Prosas Poéticas : 

À BOLEIA DE DANTE

 
À boleia de Dante
entrei na casa de Hades
Ele continuou ...
A aurora desvaneceu-se
e todos os pássaros cairam calcinados.

Virgílio,
voltou atrás,
apressando o passo
separando montanhas
desatando infernos

Fiammetta,
de indomável olhar,
erguia-se,
devorando distâncias
de açúcar enlutado.
Dizia-lhe Boccaccio:
- os beijos imprecisos
são letais como veneno...
... fia a primavera entre as amoras,
sem o desassossego da abelha,
a lua ensina-te o movimento.

Da casa de Hades saí,
coberta de solitárias cicatrizes.
Virgílio,
na quietude de um fruto
pousou a mão no meu ombro
e no rumor
de desconhecidas nascentes
acordei de um sonho.

 
Autor
AMICI
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2982
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 11/12/2010 21:51  Atualizado: 11/12/2010 21:51
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: À BOLEIA DE DANTE
quem me dera sonhar assim... saudades de te ler, obrigada pela partilha. bjs pra ti