https://www.poetris.com/
 
Textos -> Amor : 

Revolução Celular Interna

 

Convidei-te para te sentares à minha mesa, saboreares do meu banquete e beberes do mesmo cálice que me traz a vida, que me tem vida em todos os licores doces que bebo quando sentes a sua suavidade, o seu cheiro proveniente das uvas maduras, esmagadas pelas minhas próprias mãos. Tenho-te em todos os momentos que meu corpo me pede em jeito de oração, para que as noites sejam só um mero episódio no tempo, e que esse mesmo tempo, seja a dádiva presente, o amor que reside em mim desde que o mundo é mundo. Amo, não quem a vida te transformou desde que aqui chegaste, mas tudo o que te deu origem – a própria vida que brota agora das tuas mãos, e que também te fez Homem a caminhar sobre a terra, onde eu também estou.

Tens a força das terras altas, onde as pedras são detentoras de uma magistral forma elevada de ser. Por isso, te sinto assim, uma força a rasgar todas as frias emoções que me extravasam a mente, colidindo com o meu corpo e aconchegando a minha alma aos teus dedos ainda virgens, aos traços coniventes com o meu olhar onde te encontro, sempre que faço da minha entidade viva, a força que me há-de levar inteira a um reino ainda a existir. É um lugar onde as palavras se encolhem sempre que as esquento, para caberem nas minhas mãos. Sentir-te nas minhas palavras, conhecendo-lhes a verdadeira sensação que provocam em todas as células do meu corpo, formando uma pequena revolução celular interna, talvez… Sou genuinamente uma leve ornamentação colhida de primaveras de outros tempos, de outras madrugadas ainda em renovação, para que o dia seja aquele traço infinito a decalcar-me a longitude dos meus braços, a transformar em ramos as minhas mãos e em folhas os meus dedos. Serei sempre uma duradoura imitação barata de uma figura tua, prestando-se a seguir viagem por todos os lugares onde já estive. Deixaram-me seduzir pelas gloriosas lutas de outros homens, que já caíram e que e a terra absorveu como raízes doutros tempos, em que a força era uma forma de atingir os céus. Agora nada me fará acatar outras formas de vida que caibam nas tuas mãos. Sou só uma lenda nos teus olhos de lince a barafustar a terra em busca de um novo solo, e grão a grão, semearás novas sementes, e novos caminhos se abrirão.

Caminho só, e tão-só como nasci hei-de morrer e renascer em cada momento que me fez mulher enquanto força sobre a terra: mãe tornado, mãe vento, mãe serra, mãe rio (do meu rio), mãe lava de um mesmo vulcão a seduzir todas as águas dos oceanos, mãe terra a esburacar a mundo e a levar novas missivas, detentoras de coragem a quem quiser todas as formas de vida moldadas nas suas mãos.








 
Autor
ÔNIX
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1523
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
42 pontos
18
0
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
JBMendes
Publicado: 10/12/2010 16:17  Atualizado: 10/12/2010 16:17
Colaborador
Usuário desde: 13/02/2010
Localidade:
Mensagens: 5222
 Re: Revolução Celular Interna
Cara amiga Onix - Li seu texto _ Bem situado, bem escrito, da gosto de se ler..
Um abraço com afeto
JBMendes


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 10/12/2010 16:49  Atualizado: 10/12/2010 16:49
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4527
 Re: Revolução Celular Interna
Ola Dolores

Uma revolução ciclica atravez dos tempos dos nossos corpos

Um texto muito bem delimiado e profundo, como é a tua escrita que esbarra no aqui e prolonga-se mais alem, nde as forças se encontram em todas as coisas vivas.

Beijinhos
Tudo de bom para ti poetisa


Enviado por Tópico
luciusantonius
Publicado: 10/12/2010 22:42  Atualizado: 10/12/2010 22:42
Colaborador
Usuário desde: 01/09/2008
Localidade:
Mensagens: 670
 Re: Revolução Celular Interna
Amiga
Permite-me que tome o lugar nessa mesa a que presides para ouvir de viva voz as coisas belas que tens para dizer. Não terei estofo para as traduzir mas mesmo assim deixa que divague… Elas são o milagre da águia que prenhe de força e servida de asas que alcandoram às nuvens, num instante seguinte se ocultam nas escarpas onde moram os seus ninhos que fabricam os seus sonhos. É que elas falam e falam com palavras que expressam tudo o que de grandioso cruza a passagem do homem. É a cascata que, contra-natura, sobe a montanha desfazendo-se em nuvens que alimentam os rios que correm e não se cansam nem se esgotam no seu correr para o oceano que as devoram e devolvem num ciclo imparável. Os teus sonhos são os sonhos da águia, que viveu auroras e despertou nas madrugadas em ânsias de ver o sol que prometeu vir desde o principio, mas deixará de vir um dia, sei lá quando. Esses sonhos estão impregnados do amor que envolve todas as coisas, todos os seres, todos os homens até à essência que buscas mas que flirtando com a humana fragilidade se lhe oculta e para quem a plenitude vai pouco além da promessa. Mas é sendo águia, usando-lhe a ousadia, subindo a prumo e em descida quase ameaçadora se afirma e ganha foros de inteligência e se torna humana criatura e diz palavras que tudo dizem, mas não absolutamente tudo, porque no amor há o indizível.
Cara amiga divaguei com asas de estorninho, mas gostei da tentativa de voo.

O meu abraço

Antonius


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/12/2010 19:43  Atualizado: 11/12/2010 19:43
 Re: Revolução Celular Interna
Minha Querida Poetisa,

Uma só palavra...Deliciada!



Receba um Beijinho Meu
Até Si!


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 12/12/2010 20:15  Atualizado: 12/12/2010 20:15
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11172
 Re: Revolução Celular Interna
Dolores,
Li-te extasiada, como sempre que me entrego ao deleite da tua escrita.
Beijinhos
Nanda


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/12/2010 13:02  Atualizado: 13/12/2010 13:02
 Re: Revolução Celular Interna
Uma mesa única tem lugar no tempo. Sentados e bebendo o licor da vida, a revolução vai sendo feita, célula a cela, átomo a átomo. E nas explosões provocadas pelas colisões, abrir-se-ão fissuras e delas, renascerão sempre novos seres para alem do tempo.

Um belíssimo texto, uma excelente e bela forma de transmitir emoções.

beijo azul


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/12/2010 14:16  Atualizado: 13/12/2010 14:16
 Re: Revolução Celular Interna / Õnix
Grande poeta és ! Obrigado por este texto que demonstra aquilo que tantos sabem - a tua arte !
Guardo para reler - sempre !
Tem uma semana mt feliz.
Feliz Natal.
Abraço.


Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 15/12/2010 22:46  Atualizado: 15/12/2010 22:46
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Revolução Celular Interna
e aqui ficava, na confluência dos rios, noite fora, lendo as palavras tentando advinhar as personagens; percrutando as personagens para admirar o criador...beijos Dolores


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/12/2010 22:58  Atualizado: 15/12/2010 22:58
 Re: Revolução Celular Interna
Texto poético belíssimo...uma narração ímpar. Adorei poder partilhar de tal excelência. Parabéns.
Abraços Alice