Poemas : 

Versus particularis

 

Como dissecar a alma humana,
E ver pelas avessas seu instinto,
Sem antes se perder na senda insana,
De um longo interminável labirinto?

Perdoe-me irmão, é o que eu sinto,
Ardendo no meu peito a louca chama,
Por ser um personagem quase extinto,
Naquilo que meu ser tão só, proclama!

Proclamo uma quimera inatingível,
Nas raias das fronteiras do impossível,
Em tudo que contemplo, vejo e assisto!

O ódio predomina e eu me curvo,
Perante este caminho, denso e turvo,
Será que alguém ainda crê em Cristo?




 
Autor
EDCOE
Autor
 
Texto
Data
Leituras
696
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/12/2011 13:09  Atualizado: 09/12/2011 13:09
 Re: Versus particularis
UM ENCANTO DE POEMA

MARTISNS