https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Surrealistas : 

gato preto

 
lembras-te de quando fingimos voar?
o teu corpo mais propício a quedas
e o meu, quebrado no chão, a levitar.

hoje, ainda sinto nos ossos esse nosso voo improvável.]
depois partiste e o mundo voltou. acordou-me o mundo,]
com uivos de bombas, pintadas de demasiadas cores
para o nosso preto e branco mais do que habitual. acabou.]

vidas tiveste sete, ora curtas ora longas,
sem nem mais uma te ser acrescentada.
pelo meio várias mortes te fizeram viver
outra e outra vez, assim, respectivamente .

moraste em várias casas, invariavelmente desfeitas
estiveste em milhares de corpos com quem nunca estive.]

fizeste várias alterações de feitio ao teu pêlo
mas as garras, essas, permaneceram afiadas.

foste tu, mesmo naquelas escuridões escondido.
os teus olhos influenciaram sempre as minhas palavras,]
de tal modo que se ouviu sempre o teu ronronar:

– rhum-rhum, rhum-rhum, rhum-rhum…

em todos os passados, que estive e não estive,
escutei o teu miar.
em todas as lutas, de que sempre me abstive,
sonhei o teu olhar.

podes voltar na tromba de um elefante
que anda de cabeça para baixo, se quiseres.
eu andarei contigo repetidamente, repetidamente…

podes estar embutido nos seios grandes
de centenas, milhares de pequenas mulheres
que eu procurar-te-ei obstinadamente, obstinadamente…]

seremos um como antes: seremos nós sem os demais.
serei eu e tu, gato preto: um sonho mais do que antigo,]
sem sentido para cega gente.

 
Autor
Breike
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1103
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
joão_sete_dentes
Publicado: 28/12/2011 19:35  Atualizado: 28/12/2011 19:35
Participativo
Usuário desde: 18/11/2008
Localidade:
Mensagens: 28
 Re: gato preto
gostei do poema e do anterior. muitas associações rápidas, bom ritmo, um certo ar espontâneo e de correria. no anterior, um certo lirismo clichè bem usado, sem tocar o derretido, antes como disparo. tenho algumas dificuldades em aceitar as rimas de verbos em «-ar», mas como o resto é bom, acaba por se diluir um pouco no conjunto.

salvé, boa leitura.

j-7-d