https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Inércia de pedra

 

Sento-me no velho apeadeiro
onde já não passa nenhum comboio
e o silêncio repousa no musgo
que se apropriou da inércia dos carris.

O frio estira-se ao comprido
sobre a pedra dos bancos abandonados
onde a noite desenha com carvão
a locomotiva fantasma do teu rosto
a atravessar os estilhaços da memória.



 
Autor
Runa
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2503
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/11/2012 21:28  Atualizado: 23/11/2012 21:28
 Re: Inércia de pedra
Apreciei com gosto a sua poesia com um toque de saudade.
Abraço de luz.

Enviado por Tópico
girassol
Publicado: 23/11/2012 22:58  Atualizado: 23/11/2012 22:58
Super Participativo
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa mesmo ao lado...a levo de braço dado.
Mensagens: 194
 Re: Inércia de pedra
Lembranças que não se apagam e trazem o passado
aos nossos olhos feito luz que nos alumia.

Gostei de ler.
abraço
girassol

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/11/2012 23:03  Atualizado: 23/11/2012 23:03
 Re: Inércia de pedra
Gostei das metáforas ricas, dessa estação fantasma, envolta pelas teias da nostalgia. Parabéns, Runa.

Enviado por Tópico
Karla Bardanza
Publicado: 24/11/2012 03:18  Atualizado: 24/11/2012 03:18
Colaborador
Usuário desde: 24/06/2007
Localidade:
Mensagens: 3491
 Re: Inércia de pedra
Imagens perfeitas em versos sublimes. Bom te ler.

Beijo

Karla B