https://www.poetris.com/
 
Textos -> Amor : 

A promessa

 
Entardecia,
Olhavas-me de sorriso aberto… exausta, suada, o corpo nu espalhado na cama, de peito ofegante, viraste-te de costas a espreitar a rua. A noite principiava a acontecer… o tempo junto a ti, fugia depressa, falecia veloz… como sempre, tinhas que partir. Eu sabia… todas as tardes era assim, voltavas para casa, para os teus… os teus olhos, agora tristes, pediam um último beijo…
Enleei-te nos meus braços, beijei-te devagar, a saborear-te, a usufruir o momento… os nossos gestos foram ganhando formas, ritmos, e amei-te uma vez mais, quase á pressa, a aproveitar o tempo que restava, como se fosse a ultima vez,
Das nossas gargantas, escapavam gemidos roucos, incongruências lascivas, palavras absurdas, sem nexo. Os corpos em incandescência ingressaram em combustão, e terminámos em espasmos cadenciados, num êxtase profundo. O teu coração batia desordenado, tinhas a respiração arquejante, irregular… agarraste-te a mim a chorar.
Senti que havia chegado o momento… afinal, ambos sabíamos que iria suceder, pertencias a outro, “vou amar-te sempre, juro, mas não posso mais voltar aqui, não me perguntes porquê, agora não, por favor, não me faças perguntas, já me é tão difícil.”
O meu coração quase que parou, tinha passado quase três anos, tantas tardes juntos, tantas… como esta, de amor intenso… havia aprendido a amar-te, dava por mim a esperar aquela hora, a hora que surgias, avistava-te ainda longe… nunca irei esquecer o teu porte, a graciosidade do passo, os teus cabelos ao vento… sabia que iria sentir muito a tua falta, a tua ausência iria magoar, tinha consciência, que na inconsciência dos dias voltava para te esperar, e, saber que não vinhas, que não aparecias, dilacerava, despedaçava o meu coração já ele frágil. Imaginar-te nos braços de outro… embora eu fosse o outro, era atroz, cruel. Não chorei, fiz-me forte, não disse nada, o nó na garganta não autorizava.
Pediste-me que se te visse na rua, acompanhada… para não te falar. “Prometes? Finges que não me conheces? Não tomes a iniciativa, prometes? Se achar ser possível falarei eu, sim?”
Tentavas minimizar a despedida, o adeus… mas ambos sabíamos que o adeus era definitivo… senti que tremia, não queria que me visses chorar, engoli as lagrimas… a chorar por dentro, no meu íntimo, sem forças para falar, acenei a cabeça, prometi em concordar

Luís Paulo



Luis Paulo

Queria tanto ser poeta,
Falar do mundo…
Do amor
Porque não da dor?
Do sofrimento?
Da injustiça então…
Enfim, falar do meu sentimento


http://luisfilipepaulo.blogspot.com/


 
Autor
lpaulo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2031
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 08/02/2013 23:49  Atualizado: 08/02/2013 23:49
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16062
 Re: A promessa
Poeta Luis
Belíssimo poema! Difícil ser o outro, viver triângulo amoroso! Dói apaixonar-se pela pessoa errada! Lindo e emocionante! Adorei! Favoritei!
Janna