https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

A voz do Silêncio

 
É neste silêncio que ouço a tua voz,
Sussurro cálido que chega do frio escuro do meu quarto e invade a minha alma. Palavras simuladas, deléveis, de promessas que segredavas que ficaram por realizar.
São quatro da manhã e não me deixas dormir. Do relógio, ouço os passos quietos do amanhecer, suaves, como cristais, que brilham a memória do tempo: Memórias diluídas em meras lembranças, mas que a tua voz remexe e não me deixa esquecer.
É assim desde á muito,
A tua voz vem continuamente no silêncio da noite. Avizinha-se devagar de início… muito devagar… melíflua, com timbre agradável e harmoniosa antes de conquistar a minha mente numa gritaria guerreira. A tua voz vasculha os meus pensamentos, e num diálogo mental, atiras a desordem, o caos e a guerra é estabelecida na minha alma. A minha noite calma é interrompida e o meu sossego vandalizado. A tua voz é como um nó górdio que me fere e me rouba a paz. No meu leito inquieto, sinto o sabor a sangue de dor do meu coração, e o meu corpo deitado é terra queimada.
Ainda ontem o silêncio teve este simpósio comigo. Nesta dicotomia… nesta guerra do pensamento, peço-te sempre que me exorcizes de ti.
Venho a repetir-me.
Gostava tanto de olhar o teu rosto, olhar os teus olhos e dizer as coisas que ficaram por dizer…
Se um dia voltares, trás contigo a justiça, ou então, vem calada com o silêncio dos íntegros.
Porque eu de ti quero apenas o que me roubaste: os meus sonhos, a minha alegria, a minha paz.
Pensas devolver-me as noites que não dormi? A verdade? Pensas devolver-me a verdade? Não! Eu sei que não! Não existe em ti verdade. Nunca foste amiga, foste apenas alguém com curiosidade, querias saber como amanhecia, como eram os meus dias na minha intimidade.
Tenho esta luta comigo, e a merda das lágrimas não param de cair. Sim choro! Choro, mas não sei que choro é este, não sei que indefinição é a minha alma. Não sei se é um choro de algum resto de amor que guardo por ti, se é um choro de raiva, ou se choro apenas com pena de ti. Mas choro publicamente, porque tu um dia foste as margens do meu rio.

Luís Paulo



Luis Paulo

Queria tanto ser poeta,
Falar do mundo…
Do amor
Porque não da dor?
Do sofrimento?
Da injustiça então…
Enfim, falar do meu sentimento
 
Autor
lpaulo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2253
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
4
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martims
Publicado: 04/11/2013 18:13  Atualizado: 05/11/2013 15:30
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6796
 Re: A voz do Silêncio
Uma alma em lágrimas triteza que perpetua em seu sentimentos. Um poema sentimental


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/11/2013 18:46  Atualizado: 04/11/2013 18:46
 Re: A voz do Silêncio
Gostei muito do seu poema...
De alguma forma suas palavras conseguiram traduzir seu sentimento.

Parabéns!

Anggela