https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Os sinos dobram pela liberdade

 
http://www.youtube.com/watch?v=hMvj0kzCguc


Há um poeta enforcado no campanário
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Serve o seu corpo frio de contrapeso
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

A corda esticada num pescoço operário
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

E nas calças um pénis bem teso
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não


Junta-se o povo em burburinho
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Mais as carpideiras e os cangalheiros
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Umas choram, outras gemem baixinho
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Outros fazem contas aos seus dinheiros
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não


E o poeta mais morto que peru
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Mas altivo nessa morte sem igual
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

Tem escrito no peito, a tinta-cru:
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não


- Fodei-vos! Liberdade não é coisa banal
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

- Podeis meter a minha morte no cu!
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não

- Que eu nunca morri afinal!
Dlim-dlão, dlim-dlão, poema sim, poema não


O meu verdadeiro nome é José Ilídio Torres. É com ele que assino os meus livros.
Já publiquei 10 obras em géneros diversos: crónica, romance, conto e poesia.
Foi em 2007, aqui no Luso, que mostrei pela primeira vez.

 
Autor
SilvaRamos
 
Texto
Data
Leituras
555
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 29/04/2014 19:38  Atualizado: 29/04/2014 19:38
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Os sinos dobram pela liberdade
"Há um poeta enforcado
Fodei-vos
Tem escrito no peito
Que eu (nunca)
Serve o seu corpo
A corda esticada
um pénis bem teso
O povo mais as carpideiras
choram, gemem, fazem contas (outros)
morte sem igual"
(e)
a tinta-cru
(Metei minha morte no cu)
"-Que eu nunca morri afinal
Dim-dlão, dim-dlão, poema sim, poema não". Já tinha lido este algures e é sem dúvida o momento do dia hoje, aqui no Luso.... dlim-dlão... dirão? Magnífico poeta Ilídio Torres.
Obrigado.

Agradeço-te

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/06/2014 13:51  Atualizado: 17/06/2014 13:51
 Re: Os sinos dobram pela liberdade
És único!
Não morrerás!

Abraços