https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ainda haverá alguém na casa vazia

 


Então agradeço minha existência,
a natureza de animal vivo,
os vértices dos cristais,
os vórtices dos vertedouros
e o sol da manhã evaporando orvalho nos jardins

Na solidão profunda das noites de inverno,
o arrulhar das pombas aquecendo a prole,
preenchendo os silêncios da minha solidão
com flocos de neve nas frinchas do telhado.

Agradeço o ar que alimenta os pulmões,
o sangue vivo circulando nas veias
até o último suspiro cerrando os olhos.

Aqueles sorrisos nas faces das crianças,
os sons cristalinos das vozes infantis;
uma borboleta que esvoaçante
teima em atravessar a vidraça embaçada.


Por tudo isso, agradeço,
e ainda acho que sobrevivo:
- ainda haverá alguém na casa vazia.


De arrebatada figura,
sou altivo, sou forte,
não carrego lutos e mágoas,
até um dia enganei a morte,
na sua faina de colher almas
e renasci.

 
Autor
Warmien
Autor
 
Texto
Data
Leituras
251
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.