https://www.poetris.com/
 
Crónicas : 

Não quero me acostumar com excessos

 
.
“ Não quero e nem posso me acostumar com os excessos de mortes. Filhos de pessoas boas, caracteres destemidos, as crianças provavelmente não estavam com medo ainda na amurada do veleiro e não choravam durante o sono, tremendo nas gengivas os incisivos, singrando o mar Egeu.
Mas, talvez inconsciente, no jardim das margaridas rupestres, os sons de choro e o brilho das lágrimas escolhidas rompam a fragilidade da defesa lamentando as pequenas gargantas tímidos cicios de horror. Ali, nesse compartimento escuro, se algo farfalhando nos ramos tocar a pele - “Não tenha medo!” Essas sombras enfrentam crianças acarinhados nos pálios de violência desmedida.
Mas, na verdade, não acredito que haja quem ache bobagem e diga que todo o horror é linha excessiva, toda a música não é explicado nas notas imersas nas águas escuras das rajadas curtas enviadas como uma rosa com amor. Tudo vai acabar bem, se bem que misturando os nomes e as datas com o som das teclas do piano alemão executado numa gondola sobre os canais de Veneza para satisfação do mouro vencedor.”


 
Autor
FilamposKanoziro
 
Texto
Data
Leituras
249
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/09/2015 15:32  Atualizado: 23/09/2015 15:32
 Re: Não quero me acostumar com excessos
Sem excessos gosto de margaridas brancas e violinos,as crianças apesar do choro,do medo, sempre ficam bem,apesar de tudo, o córtex entorrinal delas,ajuda bastante.

Enviado por Tópico
Asas
Publicado: 23/09/2015 16:36  Atualizado: 23/09/2015 16:36
Da casa!
Usuário desde: 11/05/2015
Localidade:
Mensagens: 220
 Re: Não quero me acostumar com excessos
Gostei muito!