https://www.poetris.com/
 
Crónicas : 

Quando ler poemas foi assemelhado ao recipiente de pãezinhos

 


Quando se tem um pet de estimação sempre haverá a curiosidade de como colocar um nome. Habitualmente inspirados no dizer da palavra mais franca para serem após devidamente batizados acolhidos em braços quentes. Exceto se fo-rem lebistes, é claro. Em que pesem tais contratempos e contrariedades, até estou contente e exalo tantos sorrisos quanto os raios do sol em dispersão.
Isso para ativar os poderes da lâmpada de Aladim sem que Cinderela surja maravilhosa mergulhando de cabeça em Atlantis onde seria mantida com cuidado pelo Príncipe Submarino adornada de nácar e perolas raras. Nem sempre queridas ou acessíveis e nem menos disponíveis. Somente raras mesmo.

Pois bem. Derramado em um copo certa porção de espumante ( esse que não pode mais ser chamado de champanhe em virtude de leis internacionais ) nenhuma das conclusões deveriam ser açodadas. E sim examinadas como a conferir o ponto cruz sob a ótica despojada dos antepassados de pincenez olhando dos retratos. Imperceptíveis seriam as eventuais críticas, se é que as há. Ou houve, não estou bem certo. Tenho, porém, a certeza que espíritos despojados admiram o modo relaxado, olhando de longe as delícias do Jardim do Éden sem tocar no pedúnculo do fruto proibido. A maçã pode ficar escondida nas mãos frias de uma Eva remasterizada, pós-graduanda de boa família e melhores amigos, mas de olhos vazios quando lê um conto de fadas. Nessas ocasiões vibram os cílios diante das peripécias da fada da luz, mas acho que nenhuma garota moderna liga mais para isso. Ao contrário, acham um saco ler poemas. Pensando bem, o problema é delas e não meu ou dos poemas.

 
Autor
FilamposKanoziro
 
Texto
Data
Leituras
575
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
27 pontos
5
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
MarysaSanches
Publicado: 17/08/2016 14:31  Atualizado: 17/08/2016 14:31
Super Participativo
Usuário desde: 19/08/2013
Localidade:
Mensagens: 100
 Re: Quando ler poemas foi assemelhado ao recipiente de pã...
gosto de me desconstruir dentro dos teus poemas desconstruídos. amei, caro escritor!

bjo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/05/2017 02:52  Atualizado: 30/05/2017 02:52
 Re: Quando ler poemas foi assemelhado ao recipiente de pã...
Pois é, Luiz Morais, quem diria.

Sempre achei a vertente surreal deste mais assemelhada com a daquele português que vivia às turras com o Azke, o Alberto. Só falta me dizerem que o Alberto era outro heterônimo do Luiz 0_o