https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Corrigindo o azimute do vento

 



Do leste a oeste, todos viram a pedra rolada,
quando se safou o grupo da sombra fardada,
e acordou inquieta a noiva parda na ciranda,
enciumando as pás dos moinhos de Holanda.

Depois, aproximou-se sutil do bardo sentado,
da varanda deixando increu sorriso quebrado,
um bando de tratores detratores de viadutos,
girando áridos e vorazes diligentes nos dutos.

Desmanchados enfim em guirlandas e grinaldas,
piscando os dardos nas fraldas frias das luzes
provocaram os ciúmes da balda nas esmeraldas.

Mas, no final, afinal cometerem suicídio fatal,
aguilhoados nos espinhos dos cardos em cruzes
para correção do falso azimute ao vento banal.




 
Autor
FilamposKanoziro
 
Texto
Data
Leituras
245
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/11/2015 14:57  Atualizado: 07/11/2015 14:57
 Re: Corrigindo o azimute do vento
Errar as medidas dos impulsos solares e suas diretrizes é tão fatal quando andar debaixo de nuvens tempestuosas de bengala e sem chinelos.
As guirlandas são lindas,mas... As grinaldas são plenas.
Por isso nunca confundo os sons...