https://www.poetris.com/
Poemas : 

Andarilho, não sinto o que não tem

 


Um poema de Miqué Di L'Atrólloggus



Enquanto eu andarilho
no mundo me comportei,
como peregrino na senda
buscando o santo graal,
dormias contemplativa
mesmo sabendo desde o início
que não deveria esperar
por anos melhores, nem milagres

Vendo nos bordeis
apenas as prostitutas
dançarem
não poderia mais
esperar tanto
como estúpido
no mundo
...
[não
encontrando
o
par.].
.
.
.

Talvez pudéssemos uma vez,
outra vez, mais uma vez ,
abrir os olhos dos anjos,
viver como nos contos de fadas,
mas estava distraído
quando a sorte apareceu.
Sei que fui um tolo
sujeito ainda ao mal maior.

.
.
.
...
[Então,
agora,
limpe-me
orgulhosa
de um floco
de neve
meio à nevasca
cruel,
sempre saberei
que posso
usar meu coração.].
.
.
.

Sempre andarilho,
peregrino de templos pagãos,
poli as pedras dos átrios espúrios
com sandálias de arrogância.
.

.
[Sempre
confiei que
ao longo
da vida,
preocupação
haveria
de existir,
alguma agitação,
sem reclamar
da dor
da solidão]
.
.
.
.

sem ter que chorar ou dizer em voz alta,
parecer frágil diante das pessoas,
para obter ou esperar benesses.
Jamais sentirei o que você não tem.

 
Autor
Atrólogo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
187
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
1
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 11/05/2016 11:38  Atualizado: 11/05/2016 11:38
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29356
 Re: Andarilho, não sinto o que não tem
Sombras que andam pelo mundo em busca de algo, mais o silênci se ategua muitas vezes os olhos do infinito.. vida os conduzem