https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Eu e depois... a consciência

 
Peguei no bloco de notas
E escrevinhei uma baboseira...
Uma coisa de pouca monta,
De curta e parca volta,
Que me lembrei de cabeça recostada
Em costumeira e morna almofada.
Cozinhava, então, bebedeira
Que me doía na mioleira
Num jeito de moínha soprada e espalhada
Sobre brasas de fim de fogueira.

Depois arranquei a página,
Do meu bloco de notas,
Onde tinha posto coisa tão pouco fina
E rasguei-a em largo movimento...
Baboseira assim escrita seria arrependimento
Por ter conteúdo de pouco tento,
Palavras que não iriam com nenhum vento.

Juízo, rapaz!
Cuidas, talvez, que és impune,
Que de tudo és capaz?
Tino, rapazote
De ideias curtas e sem mote,
Que impunidade é bicho se vira de pinote.

Valdevinoxis


Nas troikas não há camaradas e da camaradagem não nascem troikas.


 
Autor
Valdevinoxis
 
Texto
Data
Leituras
565
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 03/01/2007 19:21  Atualizado: 03/01/2007 19:21
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: Eu e depois... a consciência
Uma conciência confusa de um rapaz.
Mas as mais curtas idéias são as mais perfeitas em que temos.

Beijinhos