https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A alvorada

 
O ordenança
Ordena a dança
Ao tocar o clarim
- tatatara, tatatara, tatatararara -
sonoro até ao fim.
Já lá está o sargento
de voz e pança,
grisalho e rabugento
nos impropérios que lança.
Vocifera balas de vento
de partir toda a faiança
e sublinha aquele momento
com rara cagança.
Todos lá... bem direitos,
no frio da madrugada,
de corpos gelados e peitos feitos
como soldados a sério na parada.

Valdevinoxis


Nas troikas não há camaradas e da camaradagem não nascem troikas.


 
Autor
Valdevinoxis
 
Texto
Data
Leituras
530
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 09/01/2007 10:36  Atualizado: 09/01/2007 10:36
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: A alvorada
Fixe

Enviado por Tópico
Vera Sousa
Publicado: 09/01/2007 17:54  Atualizado: 09/01/2007 17:54
Membro de honra
Usuário desde: 04/10/2006
Localidade: Amadora
Mensagens: 4100
 Re: A alvorada
Como se sofre na tropa!!!
Gostei!
beijinhos

Enviado por Tópico
Paloma Stella
Publicado: 09/01/2007 20:26  Atualizado: 09/01/2007 20:26
Colaborador
Usuário desde: 23/07/2006
Localidade: Barueri - SP
Mensagens: 3514
 Re: A alvorada
E que os cavaleiros fiquem em posição. Pois o escritor de coisas magníficas está a passar.

Adoreiii Muito Lindo!!!

Beijinhos