https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

RUA DA BAHIA

 
Tags:  SONETOS 2004  
 
RUA DA BAHIA

De coração partido e olhar perdido,
Os solitários homens pós-modernos
Se vão ensimesmados com seus ternos
Rua acima conquanto sem sentido.

Sabem o que podia a vida ter sido
Mirando aqueles olhos verdes ternos...
Porém, nem infinitos nem eternos
Seus amores correm para o Olvido.

Pois se tempo é dinheiro bem contado,
Não deve se quedar desalinhado,
Enquanto vão seguindo rumo ao topo.

Só hão-de reparar no próprio nada
Na saideira, já alta madrugada,
Pouco antes de virar o último copo.

Belo Horizonte - 08 09 2004


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
269
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RicardoC
Publicado: 19/12/2016 00:55  Atualizado: 19/12/2016 00:56
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2015
Localidade: Betim - Minas Gerais - Brasil
Mensagens: 3854
 Re: RUA DA BAHIA
Dei nome a esse poema "RUA DA BAHIA", porque foi onde eu fiz esse flagrante do quotidiano.

Embora fora de BH não faça sentido.

Essa coisa de sair do trabalho engravatado e virar a noite bebendo era coisa d'aquele lugar; d'aquela época.

A rua da Bahia é uma ladeira que liga a Praça da Estação até os fundos do Palácio da Liberdade.

Atravessa o centro de BH com bares, teatros e muitos prédios de escritórios.

Um pé no trabalho e outro na boêmia.

No ponto mais baixo, cruza com a Rua Guaicurus, que a zona do baixo meretrício.

No ponto mais alto, cruza com o palácio do governo.

Reparai que ir "rua acima" é literalmente subir na vida.

É ir chegando mais perto do poder.