https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

As cordas do tempo

 
O tempo reclama...
Das cordas escorrem as lágrimas da manhã
Ilesas, mas ainda presas à noite.
Nos bolsos foram falsos fantasmas
Cartas e copos, copas e damas
Flamas e famas de um glamour sem pudor.

Concórdias e ânsias em vocábulos cansados
Concordâncias marinadas em dor de cabeça.
O azul nos olhos, iodos e russas montanhas
O amarelo no sol, colisão ultra violeta
A reacção, o verde na boca em lenta agonia

Lamentos sabores
O futuro
A prece
O futuro
Talvez
De efeito borboleta.

A súplica é um abraço atrasado
Alinhavado, cosido à barra da saia
De um manequim passado
Que não pertence ao tempo presente

Entre nós, no fio da navalha
Caminham e definham sonhos sentidos
Magoados antigos novelos de lã

Virgem nas mãos, alegoria
Homens em cavernas vestidos com peles
Vivem os mortos, comem a fome
Matam os vivos, dominam a classe e prosperam
Amarram e tecem os fios da vida, em teia infalível
Com teares entre os dedos como carneiros vadios
Tresmalhados do resto do rebanho

Arre
Arrepiam pastores
Arrepiam, arrepiam colectores
Arrepiam caçadores
Arre
Piam

Frágil fagulha em combustão
A agulha laçada, quase invisível
O coração comanda a demanda da carne
E costura a cena, um vestido de cristal
Manda, desmanda sem pena e sem tempo.

Falta de ar?
O não respirar é contra natura
Ordena a mente à matéria
E contorce à força o corpo na cama.

Entretanto anoitece
Sem fogo, sem artifício
O céu escurece.
A corda esticou, partiu-se de vez
O tempo reclama.


Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa.

 
Autor
silva.d.c
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1067
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 15/07/2017 12:43  Atualizado: 15/07/2017 12:43
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29155
 Re: As cordas do tempo
Um magnifico poema que esta lindo demais, excelente