https://www.poetris.com/
Poemas : 

Mansidão

 
Já não me traz mais contentamento
Os velhos versos que um dia escrevi
Quando eu estava num confinamento
Entre muros que eu mesmo construí.

Também já não caminho contra o vento
Não bebo mais do vinho que um dia bebi
Hoje trago um caminhar muito mais lento
Do tanto que nesta jornada da vida eu corri.

No momento ando a priorizar cada dia por vez
Sabendo que a hora é neste instante-agora-já
Aproveitando e saboreando o ano mês a mês.

Veja se percebe alguma mudança na minha tez.
Veja se percebe como venta o vento do lado de cá,
Como estou mais manso , mais sábio e mais cortês.




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
165
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
8
6
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 13/04/2018 19:55  Atualizado: 13/04/2018 19:55
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2315
 Re: Mansidão
Gostei muito dessa mansidão e desse saber viver!!

Meus parabéns!!

Um abraço


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 13/04/2018 21:21  Atualizado: 13/04/2018 21:21
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 11697
 Re: Mansidão
Percebi...são os anos maganos! Gostei muito, abraço afectuoso Vó


Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 14/04/2018 10:48  Atualizado: 14/04/2018 10:48
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 1790
 Re: Mansidão
Também já não caminho contra o vento
Não bebo mais do vinho que um dia bebi
Hoje trago um caminhar muito mais lento
Do tanto que nesta jornada da vida eu corri.
Um abraço Gyl

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.

Fernando Pessoa


Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 14/04/2018 15:06  Atualizado: 14/04/2018 15:06
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 5671
 Re: Mansidão
A sabedoria se ganha no caminhar ao longo do tempo que nos faz progredir no dizer, no tecer da poesia que nos deixa embriagados de inspirações poéticas.

Belo soneto. Adorei a leitura.

Abraço!
upanhaca