https://www.poetris.com/
Sonetos : 

ASQUEROSO

 
Tags:  Sonetos 1998  
 
ASQUEROSO

O réptil tem o dorso sobre o chão
E ainda a casca grossa de escamados.
Rasteja ele a apresar pelos banhados,
Pois frio sangue e frio coração.

Por ofídio, o veneno em seu arpão,
Inocula nos mais desavisados…
Inobstante a toxina em seus guardados
Jamais envenenasse esse vilão.

Embora perigoso, ele é nojento!
Visto que se arrastar no pavimento
É sua condição pela existência.

Eu cuido de afastar sempre meus passos
D'este ser que me cerca d'embaraços
Com a sua reptícia inconveniência.

Betim  -  30 01 1998


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
54
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.