https://www.poetris.com/
Poemas : 

Âncora do inferno

 
Passado é como o inverno
Estação que longos tempos predura
Presente por vezes um inferno
E somando os dois, é um passo para a loucura

Loucura do ser
E do entardecer das manhãs escurecidas
Loucura esta a do vento de tudo em seu caminho varrer
Será loucura minha pensar que inverno e inferno são duas coisas parecidas?

Chega a neve e consigo o frio me ancora
Ancorado por seus ventos loucos e cortantes
Sou o gnu que tudo decora
E de todos aqueles que decoro, sou entre eles um dos mais errantes

Inferno de dante á minha frente apresentado
Diabos e demónios á minha frente encarnados
E o rio de fogo que arde descontrolado
Acabando por desaguar em mares nunca dantes navegados

Incrédulo com todo o tormento neste momento vivido
Rendido ás tropelias deste mundo
Rendo-me a algo que deveria ter esquecido
E o poço onde em tempos caí, cada dia fica mais profundo



Mesmo sendo eu um vagabundo...
por um belo sorriso vou até ao fim do mundo!

Eduardo Fontes©

 
Autor
EduardoFontes
 
Texto
Data
Leituras
95
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 11/06/2019 21:22  Atualizado: 11/06/2019 21:22
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1035
 Re: Âncora do inferno
perdura