https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Crítica : 

IGREJAS DE MENTIRA

 
IGREJAS DE MENTIRA

Dividir aquando do armistício
O que temos e nos sobeja
não o fui buscar a nenhuma igreja
aprendi com Jesus no suplício

Num verão quente de solstício
Jesus retirado da cruz inda almeja
que Deus seu pai o proteja
que Ele mais parecia um Respício.

Hoje nascem igrejas como flores.
Começam como bons actores
depois da presa amedrontada, dissabores

Corroem como fluídos venenosos
levando idosos e leprosos
a acreditarem em salmos aparatosos.

JORGE HUMBERTO
11/08/19
Santa-Iria-da-Azóia


 
Autor
jorgehumberto
 
Texto
Data
Leituras
352
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.