https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

copo de três

 
antes a pés do que a sapatos. porque doce, não azeda, alcooliza. no devido ponto de fermentação, esmagada, esfolada, do calcanhar ao quinto dedo, inicia a metamorfose, sorte de crisálida a borboleta. idade curta até uma boca cheia de sede. no lagar convém manter o espírito aceso. seja a uva que no cacho ganhou sol, mas também frio e chuva; ou o rio que ganhou chuva, mas também o calor do sol, o vento que seca, o silêncio. já nem falo do Homem. quanto ferro e fogo enterro no jogo de perder e perder. sorrisos, beijos, carícias, a canção de embalar da mãe, ou do pai. tempo. nos dias cinza a fome, a violência do chão, do soco sem mão. mas o ter ganha sempre. a mesa inclina. sem medo, sem batota com batoteiros acotovelados, de esperto armados. algures o amor e a ferida, é um ter mais e um menos ter. completa e complica a poda da videira. da simples, mas bela asneira que é a vida. a sapatos, nunca.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
395
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
1
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 07/12/2019 21:01  Atualizado: 07/12/2019 21:01
 Re: copo de três
.
Certamente um dos melhores textos que já escreveste, a todos os níveis: emocional, estrutural, imagético, prosódico...
Muita técnica e muita intensidade.
Parabéns, caro irmão de letras.