https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Dominó

 
A peça do meio
ignora, sem anseio, onde é.

O que faz em pé sobre a mesa manca
agora.

A tez branca confere-lhe leveza e peso,
sabe-se
sem querer
entre esse número aceso e finito.

Tem o mito de ser una até à queda,
areia de duna,
gota de maré preia,
ar de ventania que preda
poder.


A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
312
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
1
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 14/12/2019 15:48  Atualizado: 14/12/2019 15:51
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 769
 Re: Dominó
.
Diria que o tema é a velhice, as horas de confronto com a finitude dos dias, com a maré que encheu sem que déssemos por ela.
Com sorte, teremos aprendido o equilíbrio entre a leveza e o peso, dominaremos os anseios, teremos o poder da ventania que, invisível, sabe moldar as dunas e as ondas.
Deixo-te uma canção de uma banda dos meus tempos de adolescente, com o mesmo nome do teu poema (bem... quase).