https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Dominó

 
A peça do meio
ignora, sem anseio, onde é.

O que faz em pé sobre a mesa manca
agora.

A tez branca confere-lhe leveza e peso,
sabe-se
sem querer
entre esse número aceso e finito.

Tem o mito de ser una até à queda,
areia de duna,
gota de maré preia,
ar de ventania que preda
poder.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
432
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
1
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 14/12/2019 15:48  Atualizado: 14/12/2019 15:51
 Re: Dominó
.
Diria que o tema é a velhice, as horas de confronto com a finitude dos dias, com a maré que encheu sem que déssemos por ela.
Com sorte, teremos aprendido o equilíbrio entre a leveza e o peso, dominaremos os anseios, teremos o poder da ventania que, invisível, sabe moldar as dunas e as ondas.
Deixo-te uma canção de uma banda dos meus tempos de adolescente, com o mesmo nome do teu poema (bem... quase).